A ordem hierárquica entre os membros da Igreja

Carta enviada aos Coríntios por Clemente I de Roma por volta do ano 96 (Trechos)

[…] como nos foi dado intuirmos as profundezas do divino intelecto, é nosso dever cumprir em boa ordem tudo aquilo que o Senhor nos ordenou fazer, de acordo com os tempos estabelecidos.

Ele ordenou que as oblações e as funções litúrgicas fossem realizadas não de modo confuso e desordenado, mas em tempos e horas determinados.

Ele estabeleceu, com sua suprema autoridade, onde e por quem devem ser celebradas, para que todas as coisas, feitas em santidade segundo o seu beneplácito, sejam agradáveis à sua vontade.

Por isso, aqueles que apresentam suas oblações nos tempos a isso destinados são do seu agrado e felizes, porque, cumprindo as ordens do Senhor, não se desviam.

Pois ao sumo sacerdote foram confiadas suas funções litúrgicas próprias, aos sacerdotes foi marcado um lugar próprio e aos levitas cabem os seus serviços próprios; o leigo está ligado aos encargos leigos.

Cada um de nós, irmãos, cada qual na sua ordem, agrade a Deus, em boa consciência, sem transgredir a regra do seu próprio ministério, com dignidade…

Os apóstolos nos anunciaram o evangelho da parte do Senhor Jesus Cristo; Jesus, o Cristo, foi enviado por Deus.

O Cristo, portanto, foi mandado por Deus, e os Apóstolos pelo Cristo; as duas coisas aconteceram, pois, ordenadamente, segundo a vontade de Deus.

Os apóstolos, portanto, tendo recebido as instruções, plenamente seguros graças à ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo e confirmados na fé pela palavra de Deus, partiram, com a plenitude do Espírito Santo, para anunciar a boa nova de que o reino de Deus estava para chegar.

Então, pregando por regiões e cidades, iam estabelecendo as suas primícias como bispos e diáconos daqueles que haveriam de crer, depois de os provarem no Espírito.

A autoridade da Igreja de Roma

Nós vos escrevemos tudo isso par vos advertir…

Acolhei nosso conselho e não vos arrependereis.

Mas se alguns não obedecem àquilo que por Ele é dito através de nós, saibam que serão implicados numa culpa e num perigo não pequeno; nós porém, seremos inocentes desse pecado.

De fato, sereis motivo de alegria e regozijo se, obedecendo a quanto vos temos aqui exposto no Espírito Santo, cortardes pela raiz e fúria injustificável de vossa inveja, conforme o pedido de paz e concórdia que nesta carta fizemos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s