O Choro da Bala Perdida

Dom Lourenço Fleichman OSB

Todos os dias, na cidade do Rio de Janeiro, acontecem tiroteios, confrontos entre policiais e bandidos, nas favelas e periferias. Todos os dias há mortos, há dramas, há choro.

A população da cidade e do país fica submetida a uma série de pressões, de stress, de medos. Vivemos assim e, como em toda guerra, procuramos levar a vida dentro de certa normalidade.

Acontece que, invariavelmente, essas situações dramáticas apresentam cenas muito parecidas, eu diria mesmo repetitivas, diante do olhar distraído de todos, sem que as pessoas pareçam saber como lidar com elas.

Os personagens do drama

Procuremos acompanhar o fato:

Em razão de alguma investigação, ou de algum chamado emergencial, ou por alguma denúncia, policiais entram nesses becos dominados por bandidos, pelo tráfico de drogas, de poder, de influência. Invariavelmente são recebidos a bala!

Eis, pois, dois personagens iniciais do nosso drama: bandidos e policiais. Se fosse um jogo de crianças, chamariam de “polícia e ladrão”. Mas não é! É vida real. Então são policiais e bandidos.

Quem são os bandidos? Contrariamente à opinião geral, os bandidos não são moradores do local. Não estão ali porque constituiram família, onde construíram com esforço suas casas, de onde saem todos os dias para trabalhar. Não moram. Escolheram aquele ponto elevado por motivos estratégicos, em razão da eficácia do seu comércio ilícito e do poder que querem exercer sobre determinado território. Ocupam aquele morro, aquela favela, pelo mesmo motivo que um general, analisando o seu campo de batalha, escolhe uma posição estratégica favorável para a defesa de sua posição e para o ataque ao inimigo.

O bandido está no morro por um ato de guerra. Esse é o nosso primeiro personagem.

O segundo personagem é o policial. Como vimos, chegou ali por motivos diversos. Mas, diferentemente do bandido, o policial mora num determinado bairro, talvez mesmo numa favela, mas mora em sua casa, com sua família, e dessa casa ele sai para o seu trabalho honesto e heróico, todos os dias, pondo em risco a sua vida para a proteção da nossa.

Antes que alguém ponha em dúvida a honestidade desse profissional, apresso-me a dizer que a fraqueza de alguns policiais não altera a ordem do drama. Corrupto ou honesto, ele está na favela porque foi ali mandado por seu superior para um trabalho árduo, perigoso e sem muitas perspectivas. Aceitemos, pois, esse detalhe: fazem parte da polícia e estão ali por obediência a seus princípios e aos seus superiores.

Voltemos ao drama.

Hoje a história se passou na favela Nova Holanda, ontem na Rocinha, ou no Jacaré. A polícia entrou porque os bandidos estão ali, e fizeram algum mal a alguém. Quando isso ocorrre na vida normal dos homens, chama-se a polícia. Ela existe para isso, para socorrer os inocentes desarmados, e entregues à maldade dos bandidos. Assinalemos mais essa evidência: a polícia é obrigada a ir na favela em virtude de sua função social de proteção da sociedade. Ela não tem escolha. E ela vai porque os bandidos são maus e fazem maldades reais. Não estão num filme americano, estão na vida de uma guerra sem tréguas que jogaram sobre suas cabeças.

Querem saber como se sente um policial que entra pelos becos da favela? Vejam esse depoimento feito por um policial de verdade:

“Sempre que andava na Rocinha lembrava do que os policiais me falavam – Você está vendo todos esses becos, essas casas informes, esse emaranhado de caos e desordem. Agora imagine andar por aí na expectativa de dar de cara com um fuzil. De onde ele vem? Quando vem? Para onde olhar? Qual lugar é seguro? Qual janela não é uma ameaça? Qual daquelas pessoas não é criminosa?”

“Claro que os jornais não falam disso. É como se as operações policiais cariocas devessem ocorrer em contextos de plena normalidade. A polícia deveria se pautar por regras, procedimentos operacionais padronizados etc. Chegam ao ridículo de dizer que não se pode chegar atirando sem aviso, como se um fuzil exigisse uma cena de filme policial americano. “– Parado, ou eu atiro!”

Adivinhe, leitor: na notícia dessa noite, mais uma vez os policiais foram recebidos sob rajadas de tiros de fuzil, de metralhadora, ou de qualquer outro aparato de guerra presente nos domínios dos bandidos.

O Terceiro Personagem

Veio o tiroteio e uma bala perdida matou alguém. Surge o terceiro personagem do drama. Uma pessoa morta e uma família dilacerada.

Esse fato triste e terrível, infelizmente é comum em situações de guerra. Mas a guerra do Rio não é uma guerra comum. Ela existe, é real, ela dura há décadas, desde que o irresponsável Leonel Brizola, o traidor do povo do Rio de Janeiro e do Brasil, decretou com seu poder de Governador do Estado, que os bandidos estavam livres para agir sem medo, para crescer e dominar o território.

Por culpa do Brizola e de tantos outros políticos corruptos e maus, essa guerra já matou milhares de pessoas entre bandidos, policiais e inocentes.

O trabalho e os perigos por que passa a polícia são imensos, e o natural seria que a população da cidade elevasse sempre clamores de agradecimento a esses policiais que dão a sua vida para diminuir o impacto de morte causado pelos bandidos apoiados por essa esquerda corrupta e irresponsável.

Porque razão esse natural agradecimento não acontece? Porque razão a polícia é sempre apontada como a culpada pelo drama dessa família e pela morte por bala perdida?

O Quarto Personagem

A resposta a essa pergunta está na chegada, também invariável e sempre presente, de outro tipo de pessoas. É o nosso quarto personagem. Eles chegam no local do tiroteio carregados de microfones, filmadoras, carros muito bem equipados a transmitir pelas nuvens da internet as informações mais recentes.

Onde atuam esses personagens do jornalismo? No mesmo local em que o bandido acampa; no mesmo local onde a polícia entra para atender à população; no mesmo local em que um inocente morava. Ah! Sim, este morava de verdade ali, mas vivia sob o domínio do medo e o poder do bandido. Pois é nesse mesmo local que atuam os jornalistas.

Está completa a equipe de personagens do drama:

Bandidos, policiais, vítimas de bala perdida, e os jornalistas.

E a população do Rio de Janeiro, invariavelmente, escuta no rádio ou vê na televisão os jornalistas atuando. Aparentemente eles fazem o trabalho de informação. Porém, por questões ideológicas e de formação, eles vão além da informação. Eles atuam sobre a opinião pública, eles criam o mito da história, têm o poder de mudar a realidade de acordo com o pensamento do seu jornal, de sua televisão, de sua rede de internet. E esse pensamento é perfeitamente homogêneo, sempre na mesma direção, sempre escolhendo o lado. E o lado que eles escolheram foi de ser contra a polícia.

Se eu dissesse que eles estão do lado dos bandidos, eles se levantariam indignados, e provariam com citações e fotografias muito bem preparadas, cenas previamente montadas para desarmar qualquer acusação, a fim de provar que não apoiam os bandidos. E eles convenceriam qualquer juiz, qualquer cidadão. Porque eles não são a favor do bandido; o que eles são, isso sim, é contra a polícia. Ser contra a polícia é uma atitude política, carregada de ideologia revolucionária, ou seja, com o intuito de quebrar a ordem da sociedade espalhando o caos e o medo.

E como fazem isso na guerra do Rio?

Procuram as vítimas inocentes e sugam o sangue delas até a última gota. Vejam essa pobre mulher em lágrimas. Se os jornalistas estivessem ali porque um gatinho ficara preso num telhado, a pobre mulher seria perfeitamente indiferente aos jornalistas. Não lhes serviria para nada, senão para lhes servir um café. Mas ela é vítima, está chocada, está chorando pela terrível perda. Passa a ser personagem da mais alta importância para que a rede de jornalismo alcance sua meta de denegrir a polícia.

Partem ao ataque e perguntam:

– A senhora está triste?

Como se possível fora a esta mãe responder que não! Mas isso não importa. A mãe não percebe que está sendo usada, sugada. Acha importante e lindo que se interessem por ela, que dêem a ela uma cátedra para pontificar sobre a perda de sua filhinha, ou de seu filhão. Então ela responde chorando, ao vivo e em cores, para todo o Brasil, que, sim está muito triste, seu mundo desabou, sua vida acabou etc. Como qualquer mãe responderia!

Mas o jornalista passa por essa introdução que só serviu para conduzir a pobre alma a responder o que o jornalista quer que ela responda agora. E lança-lhe contra o rosto, contra a alma, a facada mortal:

– Como a senhora vê a atuação da polícia entrando assim na comunidade?

Ora, a pobre mulher já assimilou, com a pergunta, que tipo de resposta ela deve dar. O sinal foi dado. Quem poderá afirmar que já tenha ouvido alguma vez uma pobre vítima dessas dizer que agradece todos os dias pela presença da polícia? Não dizem e não conseguiriam dizer. Por detrás dela paira a brilhante luz das câmeras a engolir qualquer pensamento da mulher; e paira também as trevas dos invisíveis bandidos, prontos a matar, a torturar, a expulsar a mulher e o que restou de sua família, se ela ousar apontá-los como causadores de sua dor.

E ela se entrega! O jornalista é formado e é mandado para extrair dessas pobres almas a condenação mais veemente possível da polícia.

Se a mulher tivesse um mínimo de preparo e a presença de espírito de conter suas lágrimas e olhar a realidade diria ao pérfido jornalista:

– “Meu filho, a pergunta que você deveria me fazer não é essa! A pergunta deveria ser: como eu vejo a atuação dos bandidos no lugar em que eu moro! Essa é a única questão que vale a pena tratar. Porque eles se escondem aqui nos usando de escudos humanos. Eles nos achacam todos os dias, eles corrompem nossos filhos, eles são maus, profundamente maus; suas almas corrompidas não nos olham como pessoas e sim como gado. São capazes de roubar, de matar sem razão nenhuma. Sempre que a polícia entrar nas comunidades haverá “balas perdidas”, pois eles matam crianças e inocentes de propósito porque sabem que jornalistas como os senhores vão por a culpa na polícia. E com isso eles vão ganhando a guerra contra a cidade, contra o país, pela cumplicidade dos jornais e televisões.

Mas essa realidade – continuaria a angustiada mãe – essa realidade vocês escondem da população. E vão acuando a polícia com suas ameaças de processos, com os juízes corruptos comprados pelos bandidos, mentindo sempre, enquanto fingem que nos estão entrevistando”.

Infelizmente estamos nas mãos de poderes como esse. Se uma resposta como essa existisse de fato, feita ali, ao vivo, seria cortada, banida, e a vítima chorosa perderia imediatamente seu status provisório de glória à serviço da corrupção da sociedade.

O que eles querem? O que pretendem? Querem nos manter sob o terror e o medo. Com esse tipo de atitude eles nos mantém reféns da Revolução, massa informe e sem pensamento, bajulando os poderosos do morro, os poderosos da cidade, os donos de jornais e da mídia, os donos da política infernal. Conexão para todos, desinformação para todos, celulares para todos, e com isso estarão tranquilos em seu poder de destruição da civilização católica ocidental.

Há dois tipos de viciados: o viciado das drogas e o viciado das redes sociais. O primeiro é alimentado pelo bandido; o segundo pelos jornalistas, intelectuais e políticos. Ambos sofrem da mesma consequência do seu vício: não conseguem mais pensar; tornaram-se presa fácil da Revolução. E por não mais pensar, são repetidores dóceis das palavras de ordem daqueles que pensam e comandam a sociedade Revolucionária. O intuito dessa sociedade é a destruição de toda e qualquer menção ao Cristianismo. Um dia isso ficará mais claro. A guerra do Rio, como os atentados terroristas na Europa são dois lados de uma mesma moeda. A guerra é contra a sociedade cristã e por isso, ela é contra Nosso Senhor Jesus Cristo e sua Igreja.

Não existe, pois, um problema político ou um problema econômico no mundo. O que há é uma crise espiritual, é uma enorme apostasia, a perda da fé e a vitória provisória e aparente do demônio, até que Nosso Senhor dê o seu basta, e mate o dragão com o sopro de sua boca.

​Na guerra do Rio, escolha o seu lado: fique sempre do lado da Polícia, contra os bandidos e contra os jornais e os políticos!

Publicado originalmente em http://permanencia.org.br/drupal/node/5264

Uma consideração sobre “O Choro da Bala Perdida”

  1. Ótima reflexão. Muitas vezes não olhamos por esse lado
    A mídia sempre se prevalecendo em cima do mais vulnerável. Rezemos pelo Rio e pelo Brasil por intercessão de N.S. Aparecida.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s