Utilidade das obscuridades da Bíblia  

Por Santo Agostinho
Os que leem a Escritura inconsideramente enganam-se com as múltiplas obscuridades e ambiguidades, tomando um sentido em lugar de outro. Nem chegam a encontrar, em algumas passagens, alguma interpretação. E assim, projetam sobre os textos obscuros as mais espessas trevas.

Não duvido de que a obscuridade dos Livros santos seja por disposição particular da Providência divina, para vencer o orgulho do homem pelo espírito do fastio, que não poucas vezes sobrevém aos que trabalham com demasiada facilidade.

Como se explica que

se alguém disser: “Graças a uma vida de bons costumes, há homens santos e perfeitos. Isso se dá porque a Igreja de Cristo retira das superstições os que vêm a ela e os incorpora a si, caso imitem os bons. Esses justos, como fiéis e verdadeiros servos de Deus, ao depositar o fardo do século, aproximam-se do banho sagrado do batismo e, erguendo-se de lá, sob a ação fecundante do Espírito Santo, produzem o fruto do duplo amor – o de Deus e o do próximo.”

Ora – perguntava eu – como se explica que ao redizer isso, o fiel deleita-se menos do que ao ouvir as mesmas idéias expostas com a expressão do Cântico dos cânticos. Aí se diz para a Igreja, louvando-a como uma bela mulher: “ Os teus dentes são como os rebanhos das ovelhas tosquiadas ao subir do lavatório, todas com dois cordeirinhos gêmeos, e nenhuma há estéril entre elas” (Ct 4,2).

Acaso, o fiel aprende aí outra coisa do que ouvira há pouco, expresso em termos bem despojados, sem o auxílio dessas comparações? Entretanto, não sei a razão, mas contemplo com mais atração os justos, quando os imagino como dentes da Igreja que arrancam os homens do erro, e depois de os ter mastigado e triturado, a fim de amolecer sua dureza, introduzem-nos no corpo da Igreja. Também me agrada muito quando contemplo as ovelhas tosquiadas. Elas deixaram sua lã como se fossem os fardos deste mundo, e sobem do lavatório, isto é, do Batismo, e dão à luz dois cordeirinhos gêmeos, isto é, o duplo preceito do amor. E nenhuma é estéril desse fruto.

 Da obra: A Doutrina Cristã – Manual de exegese e formação cristã. Paulus. pp. 90-91.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s