Véspera de Primeiro de Maio. Iniciemos a prática da devoção do MÊS DE MARIA.

ORAÇÕES PARA TODOS OS DIAS DO MÊS

Oração preparatória

Abri, Senhor, a minha boca para louvar o vosso Santo Nome. Purificai também o meu coração de todos os vãos, perversos e estranhos pensamentos, iluminai meu entendimento, inflamai minha vontade para que digna, atenta e devotamente possa fazer esta devoção e mereça ser atendido diante de vossa Divina Majestade. Por Jesus Cristo, Senhor Nosso. Amém.

V. Sede em meu favor, Deus onipotente.
R. Em me socorrer sede diligente.
V. Glória seja ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo também.
R. Como era no princípio, seja agora e sempre. Amém.

Invocação ao Espírito Santo
Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo de vosso amor.
V. Senhor, enviai o vosso Espírito e tudo será criado.
R. E renovareis a face da terra.

ORAÇÃO
Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com a iluminação do Espírito Santo, fazei que nos regulemos segundo o mesmo Espírito e que gozemos sempre da sua consolação. Por Jesus Cristo, Senhor Nosso. Amém.

Oração de São Bernardo à Santíssima Virgem
Lembrai-vos, ó puríssima Virgem Maria, que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que tem recorrido à vossa proteção, implorado vossa assistência e reclamado vosso socorro, fosse por vós desamparado. Animado eu pois com uma igual confiança a vós, Virgem entre todas singular, como a Mãe recorro. De vós me valho; e gemendo com o peso de meus pecados, me prostro a vossos pés. Não rejeiteis minhas súplicas, ó Mãe do Filho de Deus humanado; mas dignai-vos de as ouvir propícia, e de me alcançar o que vos rogo. Amém.

Ato para antes da meditação
Eu estou na presença de Deus. Ele me vê, me ouve e penetra até o íntimo de minha alma, descobrindo nela os meus mais recônditos pensamentos e afetos. Ah, como poderei sustentar a face do Deus de toda a santidade? Sendo tão miserável pecador, quando penso em minhas numerosas infidelidades, em tantos e tão enormes atentados que tenho cometido contra o meu Criador, o temor e o remorso se apoderam de mim e Continuar lendo Véspera de Primeiro de Maio. Iniciemos a prática da devoção do MÊS DE MARIA.

Eis o resumo da devoção do Mês de Maria [aprendendo a praticar]

Segue abaixo o resumo dos exercícios devocionais para o Mês de Maria, para aqueles que estão conhecendo agora esta bela devoção:
– Prepara-se em casa um altarzinho ou oratório com uma imagem de Nossa Senhora;
– Na véspera do primeiro de maio reúnem-se as pessoas que se propõem fazer juntas a devoção do mês de Maria e leem as instruções necessárias para cumprirem com fruto a devoção;
– Então são distribuídos bilhetes em que se achem escritos diferentes atos de virtudes que cada um deve praticar em honra e imitação da Santíssima Virgem. Por exemplo: PACIÊNCIA (Em todas as vossas penas trazei à memória o admirável exemplo da Santíssima Virgem ao pé da cruz); PENITÊNCIA (Fazer alguma mortificação em honra da Mãe de Deus); etc…
– Cada um deve guardar o bilhete que lhe couber por sorte e exercitar-se todos os dias na virtude que ele lhe indicar.
– Seguindo então o livro MÊS DE MARIA, todos os dias se fará então as seguintes práticas devocionais, descritas conforme traz o roteiro para cada dia:

Continuar lendo Eis o resumo da devoção do Mês de Maria [aprendendo a praticar]

Origem da Devoção do MÊS DE MARIA

Olá a todos leitores da Capela Santo Agostinho! Dando continuidade à semana de preparação para o início da prática da devoção do Mês de Maria, trazemos hoje um pouco acerca da origem desta devoção.

Esta prática tão útil às almas devotas, parece ter sido reservada para estes últimos tempos a fim de reanimar nos tíbios corações dos cristãos os afetos que devem penetrá-los para com a mais terna das Mães. Eis aqui o que deu origem a esta saudável instituição.

Em todos os séculos da Igreja as grandezas e sublimes prerrogativas da Mãe de Deus tem sido objeto da profunda veneração dos fiéis. As eminentes virtudes de que foi adornada, o poderoso crédito de que goza para com seu Santíssimo Filho, o zelo pela glória desta incomparável Virgem tem sido engenhoso em inventar novos modos de a honrar e de Continuar lendo Origem da Devoção do MÊS DE MARIA

Extraordinária e bela devoção: O Mês de Maria [Semana de preparação]

Com imensa alegria a Capela Santo Agostinho informa que irá compartilhar com seus leitores uma tão bela devoção a Nossa Senhora que desde longa data era vivenciada pelos católicos. Infelizmente caiu em desuso na modernidade mas, hoje, felizmente é de novo impulsionada com uma nova e completa edição publicada pela Capela Santo Agostinho para animar o fervor dos fiéis da Tradição Católica.

Durante toda esta última semana de abril estaremos lhe enviando diariamente mensagens por e-mail para lhe apresentar e lhe despertar o desejo de praticar o Mês de Maria, como Nossa Senhora merece ser honrada. Estaremos trazendo a história da origem desta devoção e como praticá-la, passo a passo, durante todos os dias do mês de maio para, então, obter os frutos preciosos da devoção a Maria.

Se você ainda não é cadastrado no site da Capela Santo Agostinho, CLIQUE AQUI para receber nossas mensagens por e-mail e fazer conosco a magnífica devoção do MÊS DE MARIA.

Peça a Deus um diretor espiritual e conserve-o sem buscar outro

“Obedecei aos vossos superiores, porque eles velam como quem há de dar conta das vossas almas”(Hb 13, 17).

Aquele que obedece à Igreja de Cristo, não obedece a uma autoridade humana, mas ao próprio Deus, pois Ele disse: “Quem vos ouve, a mim ouve”. Jamais se perdeu uma alma com a obediência; jamais se salvou uma alma sem a obediência. (São Filipe Néri). Aquele que menospreza a obediência, diz São Bernardo, e deixa-se guiar por suas próprias luzes ou paralisar por seus temores, não precisa de demônio que o tente; ele mesmo se faz demônio para si.

Guardemo-nos de temer que um diretor prudente possa enganar-se no que nos prescreve, ou que ele não conheça suficientemente o estado de nossa consciência, porque julgamos não lha ter aberto com bastante clareza. Com semelhantes temores a obediência seria sempre eludida ou suspensa. Se o vosso diretor não vos tivesse compreendido e conhecido bem, ou se não vos tivésseis explicado com clareza, ele teria continuado a interrogar-vos. Se não o fez, é porque se acha suficientemente informado.

Não é a nós que Deus manifesta o estado de nossa alma, mas àquele que deve guiar-nos em seu lugar. Baste-te ouvir de sua boca que Continuar lendo Peça a Deus um diretor espiritual e conserve-o sem buscar outro

O demônio só tenta as almas que querem sair do pecado. As outras são dele, ele não precisa tentá-las.

Conselhos para o tempo da tentação, do Cura d’Ars

 

Assim como o bom soldado não tem medo do combate, assim também o bom cristão não deve ter medo da tentação.

Todos os soldados são bons em guarnição. É no campo de batalha que se faz a diferença dos corajosos e dos covardes.

A maior das tentações é não ter tentações. Quase se pode dizer que somos felizes de ter tentações. É o momento da colheita espiritual em que ajuntamos para o céu. É como no tempo da ceifa: a gente se levanta de manhã bem cedo, dá-se muito trabalho, mas não se queixa porque junta muito. Continuar lendo O demônio só tenta as almas que querem sair do pecado. As outras são dele, ele não precisa tentá-las.

O pecado dos Santos e a misericórdia de Deus

Todo homem, por mais santo que seja, tem imperfeições, visto que foi feito do nada. De forma que não prejudicamos aos santos se, ao narrarmos as suas virtudes, contamos também os seus pecados e imperfeições. Aqueles que ocultam os defeitos e faltas dos santos com o pretexto de os honrar, fazem mal, porque não contam o princípio da sua conversão com medo que diminua assim a estima em que temos a sua santidade. Todos os grandes santos, escrevendo as vidas de outros santos, narraram sempre as faltas e imperfeições, pensando, e com razão, dar nisto tanta glória a Deus e aos seus mesmos santos como narrando as suas virtudes.

O grande São Jerônimo, escrevendo em epitáfio os louvores e as virtudes de Santa Paula, explica claramente as suas imperfeições, condenando com toda a lisura muitas das suas ações e sendo sempre claro e sincero ao escrever as suas virtudes e defeitos, pois sabia que uma coisa lhe era tão útil como a outra, porque vendo os defeitos dos santos e a sua vida basta-nos para conhecermos a vontade de Deus, que lhes perdoou e nos ensina a evitá-los e a fazer deles penitência como os santos fizeram, assim como lemos as suas virtudes para o imitar.

Quando os mundanos querem elogiar as pessoas que estimam, contam sempre as suas graças, virtudes, perfeições e excelências, dando-lhes todos os títulos e dignidades honrosas, procurando encobrir os seus pecados e imperfeições, e esquecendo tudo o que os poderia tornar desprezíveis. Mas a Santa Igreja Continuar lendo O pecado dos Santos e a misericórdia de Deus