O que Deus, perfeitíssimo, poderia fazer com máxima perfeição?

A mais perfeita criatura

Ora, a forma verbal “poderia” não é aplicável a Deus, que pode tudo. Se ele já consumou sua criação, a criatura mais perfeita que se pode criar, foi criada: Nossa Senhora, nossa mãezinha do céu.

Transcrevemos abaixo um texto de Hélio Drago Romano que expõe magnificamente essa verdade:

“É possível? Teria sido possível? Será possível? Questiona-se a possibilidade no passado, presente e futuro.

Questionamento inválido se relativo a Deus. Deus é onipotente e não é sujeito a mudanças. Não é causado, nem condicionado. Não se lhe aplica o futuro do pretérito. Não há impossibilidade para quem tudo é possível. A impossibilidade fica do lado do objeto. Não é possível o contraditório, seja lógico, seja ontológico, pois se exclui da verdade e do ser; tal um círculo quadrado.

Assim, não se quer questionar qual a mais perfeita criatura “poderia” Deus ter criado. Afirma-se não haver mais perfeita criatura, real ou possível, do que Nossa Senhora.

Um ente é principalmente o que nele há de mais perfeito. É Nossa Senhora filha do Pai; mãe do Filho; esposa do Espírito Santo. Uma só pessoa humana, três relações com as pessoas divinas.

Não há maior participação, nem mais perfeita semelhança com a Santíssima Trindade. Excluída a natureza humana de Cristo, nada criado pode ser mais perfeito”.

(Fonte: Romano, Hélio Drago. Anotações II. Rio de Janeiro: Edições Eletrônicas Permanência, 2003, p.56)

Juramento Antimodernista de São Pio X que era feito por padres, bispos e professores até ser suprimido em 1967 por Paulo VI

Eu, N.N., abraço e aceito firmemente todas e cada uma das coisas que foram definidas, afirmadas e declaradas pelo magistério inerrante da Igreja:

Principalmente aqueles pontos de doutrina que diretamente se opõem aos erros do tempo presente.

  1. E em primeiro lugar: professo que Deus, princípio e fim de todas as coisas, pode ser certamente conhecido e, portanto, demonstrado, como a causa por seus efeitos, pela luz natural da razão, mediante as coisas que foram feitas (Rm 1,20), isto é, pelas obras visíveis da criação;
  2. Em segundo lugar: admito e reconheço como sinais certíssimos da origem divina da religião cristãos argumentos externos à Revelação, isto é, os feitos divinos, e em primeiro lugar os milagres e profecias, e sustento que são sobremaneira acomodados à inteligência de todas as idades e dos homens, mesmo os deste tempo;
  3. Em terceiro lugar: creio igualmente com fé firme que Continuar lendo Juramento Antimodernista de São Pio X que era feito por padres, bispos e professores até ser suprimido em 1967 por Paulo VI

Deus quis que assim se procedesse quanto ao Sacramento da Confissão

Quem manda, faz leis! (Diálogo entre o discípulo e o mestre)

(Discípulo) Padre, tenha a bondade de esclarecer ainda mais alguns pontos. Antes de tudo, a Confissão é mesmo necessária para apagar os pecados?

(Mestre) Sim, a confissão é indispensável. Assim como a água é necessária para lavar as manchas, não podemos lavar e destruir os pecados sem a confissão. Foi estabelecida por Deus, e Jesus Cristo a confirmou.

(Discípulo) Não lhe teria sido possível estabelecer as coisas diferentemente?

(Mestre) Sim, podia tê-lo feito, sendo Ele Deus, mas desde que achou preferível proceder assim, não nos resta senão obedecer. De mais a mais haveria uma maneira mais fácil? Não! Suponhamos que, por exemplo, para cada pecado tivesse ordenado uma esmola grande: quantas não a achariam penosa e impossível? Suponhamos ainda que tivesse estabelecido um jejum; quantos não poderiam ou não quereriam fazê-lo? Suponhamos ainda que tivesse exigido uma longa peregrinação; quantos nesse caso, mesmo querendo, não a poderiam realizar? Mas com a confissão não há nada disso, para quem quer que seja, por qualquer pecado e número de vezes, só é necessária uma coisa: confessar-se a um Ministro, cuja escolha é livre, no modo mais secreto e tudo está perdoado. Ah! diga-me: se a lei humana ou civil agisse da mesma maneira, se bastasse apresentar-se a um juiz e confessar a culpa para receber o perdão, haveria ainda prisões e penitenciárias?

(Discípulo) Absolutamente não! todos se confessariam, mesmo os mais velhacos.

(Mestre) Por que, então, achamos penosa a confissão sacramental?

(Discípulo) Pois seja: mas não bastaria uma confissão feita diretamente a Deus? Quê necessidade há de se, correr ao Sacerdote, pondo-o ao corrente dos nossos interesses?

(Mestre) Quem manda faz leis! Ouça: O Presidente e o governo mandam que paguemos impostos; pois bem, faça uma experiência; vá à capital do país para pagar diretamente ao Presidente e ao Governo. Dir-lhe-iam: vá ter com o nosso encarregado, o coletor e pague a ele, você poderia protestar à vontade que a situação não mudaria. Querem que paguemos, mas ao coletor. O mesmo dá-se com a confissão. Deus perdoa, mas por meio dos seus encarregados, que são os confessores. Continuar lendo Deus quis que assim se procedesse quanto ao Sacramento da Confissão

Santa Missa na festa de Santo Agostinho será celebrada por Pe. Juan Maria de Montagut, superior da FSSPX no Brasil

Com alegria comunicamos aos nossos leitores e fiéis da Capela Santo Agostinho, que o Pe. Juan Maria de Montagut Puertollano, superior da Casa Autônoma da Fraternidade Sacerdotal São Pio X no Brasil, estará em Parnaíba-PI nos dias 27 e 28 deste mês de agosto de 2018, quando celebrará a Santa Missa Tridentina por ocasião da festa de nosso padroeiro, Santo Agostinho.

Para maiores informações acerca da programação, que deverá contar também com atendimentos, administração do sacramento da confissão, reuniões e conferências, utilize o link do nosso formulário de contato ou envie e-mail diretamente para santoagostinhocapela@gmail.com

Equipe de Comunicação da Capela Santo Agostinho