Juramento Antimodernista de São Pio X que era feito por padres, bispos e professores até ser suprimido em 1967 por Paulo VI

Eu, N.N., abraço e aceito firmemente todas e cada uma das coisas que foram definidas, afirmadas e declaradas pelo magistério inerrante da Igreja:

Principalmente aqueles pontos de doutrina que diretamente se opõem aos erros do tempo presente.

  1. E em primeiro lugar: professo que Deus, princípio e fim de todas as coisas, pode ser certamente conhecido e, portanto, demonstrado, como a causa por seus efeitos, pela luz natural da razão, mediante as coisas que foram feitas (Rm 1,20), isto é, pelas obras visíveis da criação;
  2. Em segundo lugar: admito e reconheço como sinais certíssimos da origem divina da religião cristãos argumentos externos à Revelação, isto é, os feitos divinos, e em primeiro lugar os milagres e profecias, e sustento que são sobremaneira acomodados à inteligência de todas as idades e dos homens, mesmo os deste tempo;
  3. Em terceiro lugar: creio igualmente com fé firme que a Igreja, guardiã e mestra da palavra revelada, foi próxima e diretamente instituída pelo próprio Cristo, verdadeiro e histórico, enquanto vivia entre nós, e que foi edificada sobre Pedro, príncipe da hierarquia apostólica, e sobre seus sucessores para sempre;
  4. Em quarto lugar: aceito sinceramente a doutrina da fé transmitida até nós desde os Apóstolos por meio dos Padres ortodoxos, sempre no mesmo sentido e na mesma sentença; e, portanto, rechaço de ponta a ponta a invenção herética da evolução dos dogmas, que passariam de um sentido a outro diverso do qual primeiramente a Igreja sustentou. Igualmente condeno todo erro, pelo qual, ao depósito divino entregue à Esposa de Cristo para que por ela seja fielmente guardado, substitui-se uma invenção filosófica ou uma criação da consciência humana, lentamente formada pelo esforço dos homens e que, posteriormente, deve se aperfeiçoar por um progresso indefinido.
  5. Em quinto lugar: Sustento com toda certeza e sinceramente professo que a fé não é um sentimento cego da religião que brota das profundezas do subconsciente, por pressão do coração e a inclinação da vontade formada moralmente. Ao contrário, sustento que é um verdadeiro assentimento do intelecto à verdade recebida de fora pelo ouvido, pelo que cremos ser verdadeiras as coisas que foram ditas, testemunhadas e reveladas pelo Deus pessoal, Criador e Senhor nosso, e cremos por autoridade de Deus, sumamente veraz.

Também me submeto com a devida reverência e de todo coração adiro às condenações, declarações e prescrições que estão na encíclica Pascendi e no Decreto Lamentabili:

  1. Particularmente no relativo ao que chamam de história dos dogmas;
  2. Do mesmo modo, reprovo o erro dos que afirmam que a fé proposta pela Igreja pode repugnar à história e que os dogmas católicos, no sentido em que agora são entendidos, não podem se conciliar com as mais exatas origens da religião cristã;
  3. Condeno e rechaço também a sentença daqueles que dizem que o cristão erudito se reveste de dupla personalidade, uma de crente e outra de historiador, como se fosse lícito ao historiador sustentar o que contradiz a fé do crente, ou deitar premissas das quais se siga que os dogmas são falsos e duvidosos, contanto que não sejam negados diretamente;
  4. Reprovo igualmente o método de julgar e interpretar a Sagrada Escritura que, sem levar em conta a tradição da Igreja, a analogia da fé e as normas da Sé Apostólica, segue os delírios dos racionalistas e abraça não menos livre que temerariamente a crítica do texto como regra única e suprema;
  5. Rechaço também a sentença daqueles que sustentam que quem ensina a história da teologia ou escreve sobre essas matérias tem que deixar antes de lado a opinião preconcebida, ora sobre a origem sobrenatural da tradição católica, ora sobre a promessa divina de uma ajuda para a conservação perene de cada uma das verdades reveladas, e que, além disso, os escritos de cada um dos Padres devem ser interpretados apenas com os princípios da ciência, excluída toda autoridade sagrada, e com aquela liberdade de juízo com que se investiga qualquer monumento profano;
  6. De maneira geral, finalmente, me professo totalmente alheio ao erro pelo qual os modernistas sustentam que, na Sagrada Tradição, não há nada de divino, ou, o que muito pior, admitem num sentido panteísta, de sorte que já não reste mais que o fato enxuto e simples, que se deve pôr no nível dos fatos comuns da história, a saber: homens que por sua indústria, engenho e diligência continuam nas idades seguintes a escola começada por Cristo e seus Apóstolos;
  7. Portanto, mantenho firmissimamente a fé dos Padres e a manterei até o último sopro da minha vida sobre o carisma certo da verdade, que está, esteve e sempre estará na sucessão do episcopado desde os Apóstolos; não para que se sustente o que mais bem e mais apto possa parecer conforme à cultura de cada idade, mas para que nunca se creia de outro modo, nunca de outro modo se entenda a verdade absoluta e imutável pregada desde o princípio pelos Apóstolos.

Fica-se de joelhos e, estendendo a mão direita sobre os Santos Evangelhos, continua:

Tudo isso prometo que hei de guardar íntegra e sinceramente e custodiar inviolavelmente sem me apartar nunca, nem ensinando, nem de qualquer outro modo por palavra ou escrito. Assim, prometo; assim, juro; assim, ajude-me Deus e estes Santos Evangelhos de Deus.

Uma consideração sobre “Juramento Antimodernista de São Pio X que era feito por padres, bispos e professores até ser suprimido em 1967 por Paulo VI”

  1. Não tinha mesmo como eles sustentar nos dias de hoje esse juramento. Não ficaria quase ninguém na Igreja, por isso Deus permite que eles continuem no erro para que no final se separe o Joio do trigo.

    V. Senhor, dai-nos sacerdotes.
    R. Senhor, dai-nos sacerdotes.
    V. Senhor, dai-nos santos sacerdotes.
    R. Senhor, dai-nos santos sacerdotes.
    V. Senhor, dai-nos muitos santos sacerdotes.
    R. Senhor, dai-nos muitos santos sacerdotes.
    V. Senhor, dai-nos muitas santas vocações religiosas.
    R. Senhor, dai-nos muitas santas vocações religiosas.

    V. São Pio X,
    R. Rogai por nós

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s