Atitudes e gestos litúrgicos

As cerimônias que evolucionam em torno de elementos materiais, expressão dos sentimentos religiosos do homem e símbolos em certo modo produtivos da graça – Sacramentos, Sacramentais – figuram e realizam eficazmente o comércio do homem, prisioneiro das aparências sensíveis, e de Deus, “que habita uma luz inacessível”.

Mas não basta. Por causa da mútua dependência fisiológica atual do espírito e da matéria que se compõe, o homem tem necessidade de recorrer constantemente à atividade do corpo para excitar e manifestar a atividade da alma.

A Liturgia, simples espetáculo para os incrédulos, é para os fiéis um drama, um drama grandioso no qual todos os cristãos que transpõem o limiar do tempo devem tomar parte, ser atores. A atividade da alma e do corpo deve expandir-se em cânticos, salmos, responsórios, versículos, leituras e orações. E quem sublinhará estas fórmulas ou as suprirá nos momentos de silêncio, de oração recolhida? E quando nas assembleias litúrgicas a voz dos fiéis se encerrar pertinazmente num frio e indiferente mutismo, quem manterá ainda em contato o coro e a nave, o clero e o povo solidarizados na realização de um só drama? As atitudes e os gestos corporais.

ATITUDES

As atitudes do corpo têm por fim criar e manter no homem disposições favoráveis à oração; provocar ou simplesmente traduzir “atitudes da alma” em face do seu Deus – aniquilamento, adoração, súplica, ação de graças.

As principais atitudes prescritas pela Liturgia são as seguintes:

De pé

O cristão é filho adotivo de Deus. Possui o Espírito Santo que continuamente lhe inspira esse grito de amor filial – Abba Pater.

“Pai, Pai”. Diante de seu Pai o cristão deve tomar uma atitude de reverência, sim, mas também de confiança: deve estar de pé. É também esta a atitude que convém a um homem, livre das prisões do pecado, a um homem ressuscitado para a vida divina.

Convencidos desta verdade, os primeiros cristãos oravam ordinariamente de pé; e, em sinal de humildade e de súplica, elevavam os olhos e as mãos ao céu.

A Liturgia conserva esta atitude em todas as suas orações (exceto nos dias de penitência), no canto do Evangelho, do Benedictus, Magnificat, Nunc dimittis, Te-Deum, etc, prescreve que se reze ou cante de pé a antífona final do Ofício nos domingos e durante todo o Tempo pascal (Esta prescrição que tem por fim honrar a Ressurreição de Jesus estende-se à devoção extra litúrgica das Ave-Marias).

Inclinação

Filho adotivo de Deus, o homem não deixa de ser uma débil criatura. Como tal, deve aliar à atitude de confiança a atitude de respeito e de aniquilamento. Daí as inclinações, genuflexões e prostrações.

O cerimonial litúrgico distingue várias espécies de inclinações: de corpo – profunda medíocre; de cabeça – máxima, média e mínima.

Estas inclinações, às vezes, são uma simples reverência; uma saudação à Cruz, às imagens de Jesus e dos Santos, aos objetos sagrados, às pessoas constituídas em dignidade; a Jesus, a Maria, ao Santo do dia, ao Papa reinante, ao pronunciar os seus nomes. Em cada caso a espécie de inclinação varia, segundo a excelência da pessoa ou objeto que se honra – bispo, cônego, celebrante, ministro e leigo.

Outras vezes, as inclinações têm por fim manifestar exteriormente os sentimentos de adoração, humildade ou súplica sugeridos por uma fórmula. Quando intensos, estes sentimentos inspiram ao cristão essa posição (inclinação profunda), própria do supliciado que com o corpo dobrado – subplicare – oferecia o pescoço à espada do lictor ou suplicava a graça do perdão.

Genuflexão

A genuflexão, diz Bossuet, é “uma queda no nada”. É a humilhação do homem que, fugindo da grandeza de Deus, se abisma na sua miséria.

A ação de ajoelhar-se com um ou dois joelhos é uma simples reverência devida aos bispos, ao Papa, à verdadeira Cruz e ao SS. Sacramento encerrado no sacrário ou exposto à veneração dos fiéis.

A atitude de permanecer de joelhos é ditada pelo temor, pela penitência e pela humildade. Encontra-se esta atitude nas religiões do paganismo e no culto do Antigo Testamento. Os fiéis do Novo Testamento, desde os tempos apostólicos (At. 7, 60; 9,40; 20, 36; 21, 5, etc), em momentos de maior angústia e em dias de penitência, também curvam os joelhos para orar.

As Missas da Quaresma, das Quatro-Têmporas e das Vigílias, que são muito antigas, conservam a ordem de ajoelhar-se dada pelo Diácono: Flectamus genua (Entre o Flec-tamus genua e o Levate intercalavam-se alguns momentos de oração em silêncio).

Esta atitude, contudo, era cuidadosamente evitada nos Domingos e no Tempo pascal.

Hoje que, infelizmente, a Liturgia perdeu grande parte da sua influência e do seu caráter, estes matizes tão delicados na atitude da assembleia cristã, reveladores de uma perfeita compreensão das verdades fundamentais do cristianismo, apagaram-se e fundiram-se na uniformidade de uma mesma prática, observada indistintamente em todos os dias do ano.

Prostração

A genuflexão transforma-se muitas vezes na prostração do corpo inteiro. Esta atitude, em que o homem se confunde com a terra de que foi tirado, era muito frequente outrora, como o provam os monumentos da arte antiga. É prescrita ainda hoje na colação das Ordens maiores, consagração das Virgens, procissão monacal, e no ritual do Tríduo pascal e Vigília do Pentecostes. E não se diga que esta atitude avilta o homem, igualando-o aos vermes da terra. Não há nada que tanto o enobreça. “Descer por espírito de religião abaixo de todas as coisas, é subir acima de tudo e verdadeiramente elevar-se ao cume dos céus. Honrar, até se aniquilar diante d’Ele, “o que está sentado no trono”, é elevar-se até esse trono e sentar-se nele à direita de Deus. Assim, nos são representados os Bem-aventurados do Paraíso: prostrados e exaltados; humildes e coroados de glória; aniquilados pelo seu amor para com Deus e seu Cristo e investidos de honra; inebriado de alegria pelo amor que lhes têm Deus e o seu Cristo” (GAY, Élé-vations sur la vie et la doctrina de N.S.J.C. t. I p.70).

Sentar-se

Estar sentado é o próprio do doutor que ensina, do chefe que preside. Desde os primeiros séculos, o Bispo tinha no fundo das igrejas domésticas ou na abside da cripta das catacumbas e das basílicas romanas, a sua cadeira – cátedra. Ao redor dela vieram juntar-se os bancos para os presbíteros, cooperadores do Bispo – presbítero.

Os fiéis estavam habitualmente de pé. Todavia os Atos dos Apóstolos (At. 20, 9), S. Paulo (1Cor.14, 30). S. Justino, Orígenes e outros dão a entender que os fiéis se sentavam algumas vezes, sobretudo durante a leitura e a pregação.

Santo Agostinho recomenda ao Diácono Deográcias de Cartago que mande sentar o povo durante o sermão para que se não canse. A Regra de São Bento prescreve que os monges ouçam sentados as leituras e se levantem para a Glória do responsório da última lição.

Os assentos de que serviam os monges e o clero passaram pelas seguintes metamorfoses: – esteira, escabelo, banco, simples cadeira, cadeira coral, com todos os meios de comodidade e adornos da arte.

GESTOS

As atitudes do corpo não bastam para exprimir todos os cambiantes dos sentimentos da alma. Estes manifestam-se de um modo mais delicado pelos gestos.

Os gestos são o complemento natural das palavras.

  1. a) – Sublinham uma expressão. A bênção da pia batismal e o Qui pridie do Cânon são acompanhados de gestos que vão salientando e descrevendo uma a uma as suas ideias.
  2. b) – Acentuam um sentimento. Estender os braços a rezar é excitar o fervor da oração; baixar os olhos ao Suscipe, Sancte Pater, sobre a hóstia oferecida pelos pecados do próprio sacerdote é reconhecer a sua própria “indignidade”; bater no peito ao mea culpa, peccatores, miserere nobis, é provocar sentimentos de contrição.
  3. c) – Completam uma frase. Volta-se para a assembleia e estender-lhe as mãos ao Dominus vobiscum é a maneira mais natural de a saudar. Fazer o sinal da cruz ao Deus in adjuntorium, Adjuntorium nostrum, etc., é confessar que todas as graças nos vêm dos merecimentos da cruz.
  4. d) – Indicam um objeto. Os sinais da cruz às palavras – Hostiam † puram, etc. Panem † sanctum, Calicem † salutis, Cor†pus, San†guinem, mostram a Vítima imolada, o Corpo e o Sangue de Jesus realmente presentes no altar.
  5. Os gestos suprem eloquentemente, em certos casos, as palavras. Elevar em silêncio as mãos e os olhos ao céu e logo inclinar-se e apoiar-se no altar antes de entrar no Cânon é proclamar que o homem, embora revestido da mais sublime dignidade, é nada, e que só de Deus lhe vêm todo o poder. A mesma ideia é ainda expressa por um gesto quase idêntico antes do Munda cor, Suscipe Sancte Pater, Veni Sanctificator, Suscipe Sancta Trinitas.

Por vezes os gestos são historicamente anteriores às fórmulas. Neste caso as fórmulas vêm interpretar e completar o sentido dos gestos, por ex., no ofertório, na incensação, no Lavabo.

Há gestos que são simplesmente vestígios muito reduzidos de cerimônias, motivadas por razões históricas ou de necessidade. – Ao ofertório, o celebrante faz com a patena e o cálix, ao depô-los sobre o corporal – recordação da maneira de dispor os pães em forma de cruz sobre o altar ou talvez do movimento de oscilação com que eram oferecidas certas oblações no ritual moisaico. O celebrante lê a Epístola na missa, sustentando o livro na mão ou colocando as mãos sobre o livro, porque nesse momento exerce uma função própria do Subdiácono que, à diferença do diácono, sustenta o Epistolário em que lê. No Offerimus tibi o Diácono sustenta o cálix ou o braço do Celebrante; outrora, com efeito, o peso do cálix tornava indispensável a ajuda do ministro.

Estas noções gerais bastam para mostrar como a Santa Igreja sabe utilizar a presente condição do homem, ser revestido de matéria, dependente das coisas sensíveis no exercício das suas faculdades, para elevá-lo à contemplação do invisível por meio de cerimônias visíveis – emprego de elementos materiais, atitudes, gestos.

“Tal é o método de intuição que a Liturgia aplica integralmente à formação espiritual da humanidade. A princípio influi diretamente nas almas pelas impressões dos sentidos, da imaginação, pelo conhecimento intelectual do particular; estas experiências de qualidade comum abrem caminho à iluminação interior em todos os seus graus. Enfim, a alma, assim preparada, elevada, exercitada, entra em comércio íntimo com as realidades de invisível – comércio mediato da fé ou comércio imediato do misticismo” (DOM FESTUGIÈRE, Lit. Cath. P. 127).

Fonte: Curso de Liturgia Romana, de Dom Antonio Coelho, OSB.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.