Arquivo da categoria: :: LINKS

A legítima defesa e demais exceções ao quinto mandamento “não matarás”

No relançamento do blog Arena da Teologia, nos remetemos ao caso que, recentemente, teve grande repercussão. A policial, em legítima defesa, matou o assaltante, mas ela não pecou. Aplique-se tal caso às exceções previstas.

Seguem, pois, trechos do Catecismo Romano que expõem a doutrina católica acerca do quinto mandamento:

“O quanto se torna necessária uma boa explicação deste Preceito, nós o  percebemos pelo fato de que, após o imenso Dilúvio universal, a primeira e a única proibição que Deus Impôs aos homens foi esta: “O sangue de vossa vida, Eu o vingarei da mão de todos os animais e da mão do próprio homem”. […]

Quanto à proibição de matar, devemos primeiro explicar quais espécies de morte não são proibidas por este Mandamento. 

Matar animais

Não é, pois, proibido matar os animais. Se Deus permitiu aos homens que se alimentassem deles, também permitiu que os matassem.

Sobre este particular, diz Santo Agostinho: “Quando ouvimos dizer: ‘Não matarás’, não entendemos que isto se refira às plantas, porque elas não tem nenhuma sensação, nem aos brutos irracionais, porque não se ligam a nós por nenhuma relação de sociedade”.

Executar criminosos

Outra espécie de morte licita é a que compete às autoridades. Foi-lhes dado o poder de condenar à morte, pelo que punem os criminosos e defendem os inocentes, de acordo com a sentença legalmente lavrada. Quando exercem seu cargo com espírito de justiça, não se tornam culpados de homicídio, pelo contrário, são fiéis executores da Lei Divina, que proíbe de matar. [CONTINUE LENDO NO ARENA DA TEOLOGIA]

Jesus morreu por nós. Mas, porque teve de morrer?

Estando bastante alheio quanto ao significado teológico da morte do Filho de Deus, o mundo, nestes dias, faz referência – ressalte-se que muito tímida – apenas aos fatos históricos que envolvem o calvário de Jesus. Assim, aqui faremos uma reflexão acerca do motivo pelo qual Cristo teve de encarnar-se como homem e morrer sendo inocente.

Tudo se deu por uma questão de necessidade da redenção, resgate, emenda, reparo do homem diante de uma ofensa praticada contra Deus.

Quando se ofende alguém, a razão nos evoca o entendimento de que, por justiça, seja praticado pelo ofensor um ato de reparação diante do ofendido. Este ato reparador é o preço que se paga por se ter violado a dignidade daquele a quem se ofende. Deve ser um ato de magnitude proporcional à ofensa praticada. E a ofensa se reveste de diversos graus de acordo com as circunstâncias e contra quem se pratica. É certo que uma ofensa disparada por um torcedor a um juiz de futebol, nos ânimos de uma partida, não seja equivalente a uma ofensa contra um juiz de direito em um tribunal. Analogamente, um ato de desafeição de um filho para com seu pai lhe traz mais consequências do que quando isso se dá com um parceiro de brincadeiras. Dá pra imaginar então o que se dá com uma ofensa a Deus? Ofender a Deus, seu criador, fez recair trágica consequência sobre a criatura, pois, o ato reparador que se exige deve ser proporcional à dignidade do ofendido.

Eis que o mundo, e nele o homem, foram criados por Deus em seus desígnios e em um projeto perfeito. Infinitamente bom, o Criador presenteou gratuitamente o homem que era nada e passou a existir e a submeter o mundo criado.

Com o pecado original, o homem subestimou o ordenamento que Deus lhe havia concebido. O homem ofendeu aquele Ser infinitamente perfeito. Sendo criatura, atentou contra o Criador. Sendo limitado, atentou contra Aquele que é infinito. Fez desmoronar uma estrutura que jamais poderia reerguer sozinho. Por forças próprias não poderia jamais praticar um ato individual para se recompor, pois era necessário um ato de amor de valor infinito para emendar-se diante do ato de desamor ao Deus infinito. Somente um homem de natureza divina poderia realizar esse ato de amor infinito.

Foi, pois, assim que clique para continuar lendo no Arena da Teologia

Amor aos inimigos: nossa caridade deve abranger todos os homens, sem exceção alguma

O que Cristo Nosso Senhor manda observar neste preceito tem por fim promover nossa paz com todos os homens. Ele mesmo disse, na explicação deste preceito: “Se ao levares tua oferta te ocorrer que teu irmão tem alguma queixa contra ti, deixa tua oferenda diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão, e depois virás oferecer o teu sacrifício.”(Mt 5,23). E veja-se o mais que diz a mesma passagem. Na explicação destas palavras, precisa o pároco ensinar que nossa caridade deve abranger todos os homens, sem exceção alguma. Quando pois, explicar este Preceito, o pároco fará o que estiver ao seu alcance, para concitar os fiéis à prática dessa caridade, porque nela resplandece, sobremaneira, a virtude do amor ao próximo. Sendo o ódio expressamente proibido por este Preceito, porque “é homicida aquele que odeia a seu irmão”(I Jo 3, 15), segue-se necessariamente que isso também inclui o preceito do amor e da caridade .

Mas, ordenando o amor e a caridade, este preceito impõe também todos os deveres e traças, que costumam nascer da caridade. ”A caridade é paciente”, diz São Paulo (I Cor 13, 4). Logo, aqui há para nós o preceito da paciência, pela qual havemos de possuir nossas almas, conforme ensina o Nosso Salvador.

Benignidade e beneficência

Depois, uma companheira inseparável da caridade é a beneficência, porque a “caridade é benigna”. Ora, a virtude da benignidade e da beneficência é de ampla atuação. Seu fito principal consiste, para nós, em dar de comer aos que têm fome, de beber aos que têm sede, de vestir aos que estão nus; em usar de maior largueza a generosidade, na medida que alguém mais precisar de nossa assistência.

Amor aos inimigos

Estes serviços de caridade e bondade, nobres por sua natureza, tornam-se muito mais grandiosos, quando são prestados aos inimigos. Pois [Leia mais no Arena da Teologia]

A proporção entre o pecado grave e o castigo do inferno

O inferno é o castigo por uns aspectos passageiros de paixão, não carece ele de proporção?

Qual é, pois, o castigo devido ao pecado grave, com que  Deus deve vingar a sua majestade ultrajada?

Só pode ser o castigo do inferno eterno!

Está provado, pelo dogma da Redenção, que o pecado grave é a maior ofensa, infidelidade, revolta e traição contra Deus, constituindo uma culpa infinita. Ora, sendo o homem um ser limitado, e não cabendo nele um castigo infinito por intensidade, deve ele sofrer um castigo que seja infinito pela duração, como é o castigo do inferno. É bem verdade que os nossos sentimentos não querem admitir castigo tão horrendo. Muitos criminam a Deus por faltar à proporção devida num castigo sem fim, infinito, para um crime passageiro, tantas vezes de um só momento, cometidos por um homem miserável. Entretanto, a sã razão tem de admitir forçosamente o castigo do inferno eterno, em virtude de raciocínios, como rigorosamente exigido pela natureza do pecado grave.

Objeção

Até neste mundo há castigos análogos, por crimes semelhantes, porém incomparavelmente inferiores. Como é que são ás vezes vingadas e castigadas as infidelidade deste mundo? Por exemplo, a infidelidade conjugal, a revolta contra um príncipe, contra um rei, a traição à pátria? Às vezes pela morte! Ora, essas e outras infidelidades contra homens são incomparavelmente menores do que… (Clique para CONTINUAR LENDO NO SITE ARENA DA TEOLOGIA)