Como distinguir a verdade católica do erro

por São Vicente de Lérins

Dado que a Escritura nos aconselha: “interroga teu pai, e ele te contará; os teus avós, e eles te dirão”; “ouve as palavras dos sábios”; e também: “Meu filho, não te esqueças da minha lei, e guarda no teu coração os meus preceitos”; a mim, Peregrino, último dentre todos os servos de Deus, pareceu-me coisa de não pouca utilidade consignar, com a ajuda de Deus, os ensinamentos que fielmente recebi dos Santos Padres. Fazê-lo me é absolutamente necessário por causa de minha debilidade, para assim ter à mão algo que supra, pela leitura assídua, as deficiências de minha memória. Além disso, levam-me a empreender este trabalho não somente a utilidade da obra, senão também a consideração dos tempos e a oportunidade do lugar.

Quanto ao tempo, já que ele leva tudo que há de humano, também nós devemos, em compensação, roubar-lhe algo que nos seja útil para a vida eterna, sobretudo porque Continuar lendo “Como distinguir a verdade católica do erro”

Os sinais da falsa e da verdadeira devoção à Santíssima Virgem

por São Luís Maria Grignion de Montfort

OS FALSOS DEVOTOS E AS FALSAS DEVOÇÕES À SANTÍSSIMA VIRGEM

Conheço sete espécies de falsos devotos e falsas devoções à Santíssima Virgem:

1º os devotos críticos,

2º os devotos escrupulosos,

3º os devotos exteriores,

4º os devotos presunçosos,

5º os devotos inconstantes,

6º os devotos hipócritas,

7º os devotos interesseiros.

Os devotos críticos

Os devotos críticos são, em geral, sábios orgulhosos, espíritos fortes e presumidos, que têm no fundo uma certa devoção à Santíssima Virgem, mas que vivem criticando as práticas de devoção que a gente simples tributa de boa-fé e santamente a esta boa Mãe, pelo fato de estas devoções não agradarem à sua culta fantasia. Põem em dúvida todos os milagres e histórias narrados por autores dignos de fé, ou inseridos em crônicas de ordens religiosas, atestando as misericórdias e o poder da Santíssima Virgem. Repugna-lhes ver pessoas simples e humildes ajoelhadas diante de um altar ou de uma imagem da Virgem, às vezes no recanto de uma rua, rezando a Deus; chegam a acusá-las de idolatria, como se estivesse adorando a pedra ou a madeira. Dizem que, de sua parte, não apreciam essas devoções exteriores e que Continuar lendo “Os sinais da falsa e da verdadeira devoção à Santíssima Virgem”

A vantagem que os Anjos levam em nobreza sobre os homens, e a que os homens levam sobre os Anjos. Diferença das naturezas angelical e humana.

Por Pe. Antônio Vasconcellos 

Esta grande diferença das naturezas angelical e humana, deu Deus a entender, criando os homens na terra e os anjos no Céu. A casa há de ser proporcionada ao morador. Para o rústico basta uma casa de palha, ou de quatro taipas de terra. Para o nobre e príncipe, são os edifícios elevados e palácios altos e dourados. Por este respeito, Deus deu ao homem a casa na terra e de terra como a um lavrador rústico. E aos Anjos, os palácios altos, dourados e estrelados, como a príncipes e a este fim os criou no céu empíreo, ao qual por esta razão o chama Santo Isidoro, Caelum Angelorum. E ainda nos nomes, mostrou Deus esta diferença, porque ao homem  pôs  Deus  o  nome de terra, chamando-o de Adão, que quer dizer, Terreno. E aos Anjos o nome da mais nobre e formosa criatura corporal, que Deus criou que é a luz.

Porque conforme Santo Agostinho sobre o Gênesis quando Deus disse, Fiat lux. Faça-se a luz. Entendeu não só a luz corporal, mas também os Anjos, aos quais quer dizer este Santo Doutor que Continuar lendo “A vantagem que os Anjos levam em nobreza sobre os homens, e a que os homens levam sobre os Anjos. Diferença das naturezas angelical e humana.”

Nenhum comentário

Devoção dos Sete Domingos de São José. Quarto Domingo: Profecia de Simeão

CONSIDERAÇÃO

E depois que se cumpriram os dias da purificação de Maria segundo a lei de Moisés, levaram o Menino a Jerusalém, para oferecê-lo ao Senhor. (Lc 2, 22). E ele (Simeão) tomou a Jesus em seus braços e bendizia ao Senhor. (Lc 2, 28) E Simeão lhes abençoou e disse a Maria, mãe de Jesus: “eis está posto para queda e levantamento de muitos em Israel, em sinal de contradição, e tua mesma alma traspassará uma espada. (Lc 2, 34-35)

PONTO 1. — Considera a pontualidade com que São José cumpre todas as leis do Antigo Testamento, apesar de Jesus não estar obrigado a nenhuma delas, e nem tão pouco ele, no que dizia respeito a seu divino Salvador. Foi ao templo, pois, para cumprir a lei da purificação de Maria e da oferta e resgate dos primogênitos. Aprende a obediência até nas cousas difíceis e humilhantes. Encontraram no templo dois santos velhos, Simeão e Ana, a profetisa; e como estes vissem entrar a Jesus em companhia de São José e de sua Mãe Santíssima, logo principiaram a louvá-lo. E Simeão tomando em seus braços o Menino Jesus começou a dizer em alta voz que Continuar lendo “Devoção dos Sete Domingos de São José. Quarto Domingo: Profecia de Simeão”

Santificação e os deveres profissionais

Por Adolph Tanquerey

As relações profissionais são meio de santificação ou obstáculo ao progresso, segundo a maneira como se encaram e desempenham os deveres do próprio estado. Os deveres, que nos impões a nossa profissão, são em si conformes à vontade de Deus; se os cumprimos como tais, com intenção de obedecer a Deus e de nos regular segundo as leis da prudência, da justiça e da caridade, contribuem para a nossa santificação. Se, pelo contrário, não temos outro fim em nossas relações profissionais, mais do que granjear honras e riquezas, com desprezo das leis da consciência, convertem-se essas relações numa fonte de pecado e escândalo.

O primeiro dever, pois, aceitar a profissão que a Providência nos conduziu como a expressão da vontade de Deus sobre nós e perseverar nela, enquanto não tivermos razões legítimas de mudar. Quis Deus, na verdade, que Continuar lendo “Santificação e os deveres profissionais”

A FÉ PODE AUMENTAR OU SE PERDER. Como Aumenta? Como se Perde?

Pe. Emmanuel-André

A Fé pode aumentar, a Fé pode diminuir e se perder. A Fé, consistindo essencialmente na adesão de nosso espírito à verdade revelada, aumenta ou diminui segundo seja a adesão mais ou menos firme.

Ora, sendo a alma humana ativa por natureza, é indispensável que sua Fé aumente ou diminua. Ela aumenta se a alma avança no conhecimento do Pai e do Filho e do Espírito Santo, se a alma penetra melhor nas verdades do Credo, em uma palavra, se a alma progride no caminho da verdade.

Mas como a Fé requer, juntamente com assentimento do espírito, o movimento de piedade da vontade que quer crer, evidentemente a Fé também pode e Continuar lendo “A FÉ PODE AUMENTAR OU SE PERDER. Como Aumenta? Como se Perde?”

Nenhum comentário

Utilidade das obscuridades da Bíblia  

Por Santo Agostinho
Os que leem a Escritura inconsideramente enganam-se com as múltiplas obscuridades e ambiguidades, tomando um sentido em lugar de outro. Nem chegam a encontrar, em algumas passagens, alguma interpretação. E assim, projetam sobre os textos obscuros as mais espessas trevas.

Não duvido de que a obscuridade dos Livros santos seja por disposição particular da Providência divina, para vencer o orgulho do homem pelo espírito do fastio, que não poucas vezes sobrevém aos que trabalham com demasiada facilidade.

Como se explica que

Continuar lendo “Utilidade das obscuridades da Bíblia  “

A salvação da alma depende geralmente do tempo da juventude

Por Dom Bosco

Dois são os lugares que nos estão reservados na outra vida: para os maus, o inferno, onde se sofre todos os tormentos; para os bons, o Paraíso, onde se goza todos os bens. Mas o Senhor vos diz claramente que se vós começardes a ser bons no tempo da juventude, sereis igualmente no resto da vida, a qual será coroada com uma eternidade de glória.Pelo contrário, se começardes a viver mal no tempo da juventude, muito facilmente continuareis assim até a morte, e isto vos conduzirá inevitavelmente ao inferno.

Por isso, quando virdes homens de idade avançada entregues ao vício da embriaguez, do jogo, da blasfêmia, podereis quase sempre dizer que tais vícios começaram na juventude. Ah! filho querido, diz Deus, recorda-te do teu criador no tempo de tua juventude. Em outro lugar declara feliz o homem que Continuar lendo “A salvação da alma depende geralmente do tempo da juventude”