Arquivo da tag: Liturgia

A Missa vai começar – Posturas do fiel durante a celebração

Em que momento devemos entrar na igreja para o início da Missa?

Devemos chegar sempre alguns minutos antes para nos recolhermos na oração, preparar o missal e, sendo necessário, nos confessarmos para poder comungar.

É permitido chegar atrasado na Missa?

Não é permitido chegar atrasado porque seria uma falta de respeito para com Deus, além de evidente prejuízo espiritual para as almas.

Existe alguma ordem formal da Igreja sobre isso?

Sim, um dos mandamentos da Igreja diz: assistir missa completa todos os domingos.

E se acontecer algum imprevisto no meio do caminho?

A Igreja tolera pequenos atrasos não culposos. Por isso ela considera que, chegando na missa dominical (ou festa de preceito) até o Evangelho, pode-se ainda comungar.  É preciso, no entanto, evitar sempre o atraso. O prejuízo é muito grande quando se perde as leituras e o sermão da missa.

Qual o melhor lugar para se assistir à missa?

Em princípio qualquer banco da igreja deveria servir para a boa assistência. Na prática, constata-se que as pessoas que ficam no fundo têm a tendência a se dispersar, se distrair, conversar, fazer sinais aos vizinhos, chamando a atenção para coisas que distraem do essencial. Evidentemente estes costumes são prejudiciais para as almas e podem chegar a ser pecado.

Qual o melhor modo de se assistir à Missa?

Usando o missal Latim-Português podemos acompanhar as belíssimas orações que a Igreja reza durante o Santo Sacrifício. Com o missal, também podemos acompanhar melhor os gestos e ritos que são explicados passo a passo.

Continue lendo A Missa vai começar – Posturas do fiel durante a celebração

Atitudes e gestos litúrgicos

As cerimônias que evolucionam em torno de elementos materiais, expressão dos sentimentos religiosos do homem e símbolos em certo modo produtivos da graça – Sacramentos, Sacramentais – figuram e realizam eficazmente o comércio do homem, prisioneiro das aparências sensíveis, e de Deus, “que habita uma luz inacessível”.

Mas não basta. Por causa da mútua dependência fisiológica atual do espírito e da matéria que se compõe, o homem tem necessidade de recorrer constantemente à atividade do corpo para excitar e manifestar a atividade da alma. Continue lendo Atitudes e gestos litúrgicos

O uso de elementos e materiais na liturgia

O homem não é somente o rei e senhor da criação, é também o seu pontífice. No exercício da sua função sacerdotal apodera-se dos elementos da natureza “que gemem escravos da corrução” e oferta-os a Deus como tributo de submissão. E Deus, por nobre condescendência, faz desses elementos o canal da efusão da sua graça.

O homem não é um puro espírito. Para se elevar à contemplação do invisível, precisa de subir uma escada de símbolos que impressionem os sentidos, antes de lhe falarem à alma. Por isso “desde sempre os homens ligaram aos grandes fenômenos da natureza e aos produtos de utilidade universal uma significação simbólica em harmonia com o uso natural”.

“A água que leva e refresca, tem na linguagem dos sinais e na linguagem religiosa o sentido duma purificação. O fogo que queima, purifica como a água; é luz, ilumina. O azeite lenifica, adoça, fortifica, abranda. O sal dá e conserva aos alimentos o seu sabor. Destas palavras  Continue lendo O uso de elementos e materiais na liturgia

A ordem hierárquica entre os membros da Igreja

Carta enviada aos Coríntios por Clemente I de Roma por volta do ano 96 (Trechos)

[…] como nos foi dado intuirmos as profundezas do divino intelecto, é nosso dever cumprir em boa ordem tudo aquilo que o Senhor nos ordenou fazer, de acordo com os tempos estabelecidos.

Ele ordenou que as oblações e as funções litúrgicas fossem realizadas não de modo confuso e desordenado, mas em tempos e horas determinados.

Ele estabeleceu, com sua suprema autoridade, onde e por quem devem ser celebradas, para que Continue lendo A ordem hierárquica entre os membros da Igreja