Arquivo da tag: Providência Divina

Só receberá, encontrará e entrará quem perseverar em pedir, procurar e bater.

Não basta pedir a Deus certas graças para um mês, ou um ano, ou mesmo vinte anos. Não podemos nos cansar de pedir. Devemos ser constantes no pedir até o momento de nossa morte, e mesmo nesta oração que mostra nossa confiança em Deus, nós devemos unir o pensamento sobre a morte com o da perseverança e dizer: “Ainda que ele me matasse, nele esperarei” (Jó 13,15) e confiarei n’Ele para me dar tudo que necessito.

Os ricos e proeminentes do Mundo mostram sua generosidade através da percepção do que as pessoas estão necessitando e assim concedem-lhes o que precisam, mesmo antes que eles o peçam. Por outro lado, a generosidade divina é mostrada quando Ele nos faz procurar e pedir, durante longo período de tempo, a graça que Ele deseja nos dar e em geral quanto mais preciosa a graça, mais tempo Ele levará para nos concedê-la. Há três razões para tal:

1- A fim de poder aumentá-la;

2- A fim de que quem a recebe a aprecie mais;

3- A fim de que quem a recebe ponha muito cuidado para não perdê-la, pois Continuar lendo Só receberá, encontrará e entrará quem perseverar em pedir, procurar e bater.

Santificação e os deveres profissionais

Por Adolph Tanquerey

As relações profissionais são meio de santificação ou obstáculo ao progresso, segundo a maneira como se encaram e desempenham os deveres do próprio estado. Os deveres, que nos impões a nossa profissão, são em si conformes à vontade de Deus; se os cumprimos como tais, com intenção de obedecer a Deus e de nos regular segundo as leis da prudência, da justiça e da caridade, contribuem para a nossa santificação. Se, pelo contrário, não temos outro fim em nossas relações profissionais, mais do que granjear honras e riquezas, com desprezo das leis da consciência, convertem-se essas relações numa fonte de pecado e escândalo.

O primeiro dever, pois, aceitar a profissão que a Providência nos conduziu como a expressão da vontade de Deus sobre nós e perseverar nela, enquanto não tivermos razões legítimas de mudar. Quis Deus, na verdade, que Continuar lendo Santificação e os deveres profissionais

Devoção dos sete domingos de São José. Terceiro domingo: Circuncisão de Jesus

 

CONSIDERAÇÃO

E depois que se cumpriram os oito dias em que devia ser circuncidado o Menino, foi chamado com o nome de Jesus, que já lhe dera o anjo antes de ser concebido. (Lc 2, 21).

PONTO 1. — Que admirável é a divina Providência em seus Santos! Como sabe Deus misturar divinamente as consolações com aflições terríveis! Passara São José oito dias de verdadeira felicidade, fazendo companhia a Jesus, apesar das muitas privações e sofrimentos que padecera em Belém, repetiria ele sem dúvida em seu coração o que depois disse São Pedro: Bom é ficarmos aqui. Pobre São José! Passados oito dias ele mesmo por si, ou o sacerdote em sua presença, circuncidou a Jesus! Que dor para o coração do ilustre Patriarca! Ele que amava a Jesus como a seu Deus com todo seu coração. Ele que o amava como a um filho que lhe confiara o Eterno Pai. Ele que sabia que Continuar lendo Devoção dos sete domingos de São José. Terceiro domingo: Circuncisão de Jesus

A perfeição não consiste em conhecer qual é a ordem de Deus, mas em submeter-se a ela

Por Pe. Caussade

A ordem de Deus, o beneplácito de Deus, a vontade de Deus, a ação de Deus, a graça, tudo isto, é uma única e mesma coisa nesta vida. É Deus trabalhando para tornar a alma semelhante a si mesmo. A perfeição não é outra coisa senão a cooperação fiel da alma a um trabalho de Deus. A graça produz-se em nossas almas, cresce, aumenta e tem a sua consumação em segredo e sem que a alma se dê conta.

A teologia está cheia de conceitos e expressões que explicam as maravilhas da graça, em cada alma, em toda a sua extensão. Pode conhecer-se tudo o que esta especulação ensina, falar dela admiravelmente, escrever, instruir, dirigir as almas. Porém Continuar lendo A perfeição não consiste em conhecer qual é a ordem de Deus, mas em submeter-se a ela