Arquivo da tag: sacramentos

Método de confessar-se bem ajudado pelo patriarca São José

Vinde, Espírito Santo, enchei os corações de vossos fiéis e acendei neles o fogo de vosso divino amor.

V. Mandai o vosso Espírito e tudo será criado.

R. E renovareis a face da terra.

Oremos

Ó Deus, que doutrinastes os corações dos fiéis pela ilustração do Espírito Santo, concedei-nos, que pelo mesmo Espírito Santo saibamos o que é reto, e gozemos sempre de sua preciosa consolação. Amém.

Rezemos três Ave-Marias, pedindo a Nossa Senhora a graça de conhecer nossas faltas e de confessar-nos devidamente.

Ave Maria,… Ave Maria,… Ave Maria,…

Oração para antes do exame

Santíssimo e inocentíssimo José, vós sempre guardastes a vossa alma limpa de qualquer pecado, que pudesse manchá-la e ofender a Deus; não fiz eu assim, senão que muitas vezes desgostei sua divina Majestade, ofendendo meu Deus e quebrantando sua santa lei. Perdi meu Deus, pobre de mim!

Como aparecerei em sua presença tão carregado de pecados? Eu não ouso, santo meu de minha alma, senão me acompanhado de vós; acudi-me, pois, vinde em meu auxílio agora que me chego a Sua Majestade para pedir-lhe perdão de meus pecados e Continuar lendo Método de confessar-se bem ajudado pelo patriarca São José

A purificação do coração e o temor filial de Deus são condições do progresso da nossa santificação

Pelo Diácono Rafael

Descendo do monte o Senhor, acudiu a Ele a multidão porque não podiam subir mais alto. Assim as palavras de São Jerônimo ao comentar o evangelho de hoje. Evangelho que relata que Nosso Senhor desce da montanha depois de haver pregado o sermão da montanha. Nosso Senhor desce por misericórdia, pra poder levar às almas dos judeus que ainda não eram capazes de compreender a doutrina que ele tinha ensinado durante o sermão da montanha. Essa doutrina consistia na virtude da fé aperfeiçoada até o mais alto grau, até estar unida com a caridade. Nosso Senhor vê os judeus que ainda não estavam prontos para entender essa doutrina. E não só não estavam prontos pra entender, mas também não estavam prontos para praticar. Elevando a fé dos judeus quando Ele desce, o evangelho de hoje já nos mostra dois exemplos desta fé unida à caridade: o exemplo se vê no leproso que se aproxima de Nosso Senhor e no servo do centurião. Continuar lendo A purificação do coração e o temor filial de Deus são condições do progresso da nossa santificação

Cânon acerca do Batismo dos hereges, no I Sínodo de Arles

Papa Silvestre I

Com referência aos africanos, já que aplicam um costume próprio deles, a saber, de rebatizarem, foi decidido que, se alguém vem para a Igreja procedente de uma heresia, deve-se interroga-lo sobre o Símbolo da fé e, se se constatar que foi batizado no Pai, no Filho e no Espírito Santo, imponha-se-lhe tão somente a mão, para que receba o Espírito Santo; se às perguntas demonstrar que não conhece esta Trindade, seja batizado.

 I Sínodo de Arles, Cân. 9. Iniciado em 01/08/314, sob o pontificado do Papa Silvestre I. (Denzinger-Hunermann, 123)

Por que razão o Natal tem tanta preparação

Por Dom Lourenço Fleichman

Meus caríssimos irmãos, nós sabemos que este caminho que São João Batista vem preparar, que Nosso Senhor cita agora no Evangelho, é um caminho que leva até o Presépio de Belém. Nós estamos preparando o Natal. E quando nós pensamos que estamos preparando a nossa ida até o Presépio de Belém, ao lugar onde Jesus nasceu, aquela manjedoura pobre e humilde, muitas vezes passa em nosso coração uma certa soberba, uma isenção do que realmente nós deveríamos ter como preparação, porque dizemos: é um presépio que está na minha casa, é um presépio que nós montamos na igreja, é uma liturgia que nos lembra o Natal. Mas, eu não estou diante de Jesus! Então essa preparação não seja assim tão forte, tão importante que nós tenhamos. E rapidamente nós vamos deixando de lado uma verdadeira preparação que está presente nesta liturgia austera do advento, nas cores roxas, na ausência do glória, na ausência das flores e do órgão. Tudo isso para nos mostrar que nós temos algo a fazer nessas quatro semanas de preparação pro Natal. Mais do que simplesmente montar nosso presépio ou uma árvore de Natal em que distribuiremos nossos presentes.

No encerramento do colégio nós fizemos subir a ladeira ao Papai Noel. Para nós, Papai Noel não é Papai Noel no sentido mundano, profano, comercial. Então nós o chamamos de São Nicolau, que a origem mesmo do Papai Noel. Um bispo santo que na época do Natal distribuía presentes para as crianças pobres. Esse é o verdadeiro significado do Papai Noel. Então no Colégio São Bernardo sobe lá o velhinho de algodãozinho na barba para mostrar: Olha! Houve um bispo! Ele tem mitra. Ele não tem esse chapeuzinho ridículo, não. Ele tem uma mitra. Ele tem um báculo, ele se apresenta como Bispo, como de fato foi. São Nicolau, aquele bispo santo que distribuía presentes. Então, as crianças se preparam para receber presentes. Então nós vamos dar os presentes de natal. Faz parte dos nossos costumes. Desde que nosso coração esteja preparado para receber o grande presente que é nosso Jesus Cristo. Ah! Mas, Ele já não está presente em nós? Nós não somos batizados, nós comungamos… Por que razão o Natal tem tanta preparação se todos os dias nós temos que estar diante de Nosso Senhor Jesus Cristo?

É verdade, essa preparação deveria ser a preparação de todos os dias. Mas, ao mesmo tempo a liturgia não é um teatro. A liturgia é uma realidade mística, uma realidade sacramental que Igreja nos traz para que nós possamos viver aquilo que aconteceu há 2000 anos atrás. Nós vivemos na realidade dela. E a liturgia tem essa força, esse poder de trazer a realidade 2000 anos depois, do mesmo modo que a Santa missa é a realidade do sacrifício da Sexta-feira Santa, do sacrifício da cruz de Nosso Senhor, assim também o nosso Natal se torna realidade pela liturgia.

Então, São Paulo vem na epístola aos romanos dizer: tudo que está escrito nas escrituras, na Bíblia, está escrito para vossa edificação, ou seja, nós temos que tomar esses momentos em que a Igreja vai nos destilando o mel da Sagrada Escritura, os mistérios da vida de Jesus, da Virgem Maria, para crescermos de alguma forma, para fazermos esta preparação espiritual que nos falta. Nos falta porque o dia a dia não nos permite parar, porque os trabalhos são inúmeros, porque não temos tempo de rezar um terço, porque não sabemos nem mesmo nos ajoelhar diante de um presépio. A gente monta o presépio, mas rezar diante do presépio a gente não reza.

Então, São Paulo vem nos lembrar: existe a necessidade de uma preparação. É necessário assumir esta presença de algo de novo nas Sagradas Escrituras para nossa edificação, para tirarmos delas a esperança. Então nós começamos a focar um pouco mais. A preparação que nós devemos fazer faz crescer em nossos corações a esperança. E quando nós dizemos virtude teologal da esperança, a ajuda divina para quê? Qual o fim da esperança? Para que Deus nos dá essa virtude especial que nos dá a certeza de um auxílio divino? Evidentemente para que o nosso presépio seja o presépio eterno na vida eterna, o presépio eterno diante de Deus. Então há uma esperança necessária para nós e, se há uma esperança, significa que olhando para o nosso próprio coração nós não encontramos forças suficientes para, sozinhos, chegarmos no céu. Então vem a liturgia e diz: Natal, advento, prepare-se! Prepare-se para ter esperança, prepare-se porque celebrando o Natal todos os dias talvez quem sabe você alcance a vida eterna. Aí, tendo alcançado o céu nós repousamos em Deus, nós repousamos na visão beatífica de Deus, nós repousamos no seu amor, na sua felicidade. Mas enquanto nós não chegamos lá, precisamos desses apoios. Apoios da escritura, apoios da liturgia, nosso terço diário para ir convertendo nossos corações, para ir mudando aquilo que nós somos, para que algo de novo aconteça porque Jesus nasceu em Belém, algo de novo aconteça porque Jesus morreu na cruz, algo de novo aconteça: A ressurreição de Cristo.

O Deus da paciência e da consolação vos conceda ter uns para com os outros os mesmos sentimentos em Jesus Cristo. Então venha a conversão. Vejam como a conversão é dura. São Paulo exige de nós que, por causa dessa esperança, nós tenhamos pelo Deus da Consolação bons sentimentos, que nós tenhamos os mesmos sentimentos segundo Jesus Cristo, para haver o uníssono, para haver um só pensamento glorificando a Deus pai de nosso Jesus Cristo. Por isso acolhei uns aos outros como também Cristo vos acolheu para glória de Deus. Por que razão Ele compara o modo como nós devemos receber uns aos outros? – e não é receber em sua casa pra dormir, não. Receber aqui é qualquer relação humana, e ele compara com Nosso Senhor nos recebendo a nós. Ora, evidentemente é porque nós não merecemos isso. Nós não merecemos que Nosso Senhor nos receba. Nós somos pecadores, nós sabemos disso. E no entanto Ele nos recebe. Ele abriu seu coração com a lança para nos salvar. Ele nos recebeu, Ele abre o céu para nós porque nós perseveramos na oração. Ele nos recebeu, então não vamos nós também abrir o nosso coração uns aos outros?

Digo, pois, que Jesus Cristo foi o ministro dos circuncidados, a fim de mostrar a veracidade de Deus para confirmar as promessas feitas a nossos pais. E, depois, os gentios. Ele fala longamente dos gentios. Que recebem eles também essa esperança. Eles também recebem a salvação. Todas as nações devem engrandecer a Deus. Então ele volta. O Deus, pois, da esperança vos encha de todo gozo e paz na vossa fé para que abundeis na esperança e na virtude do Espírito Santo. O que vem ser a virtude do Espírito Santo? Para a virtude do Espírito Santo é a santidade, a virtude do Espírito Santo são os dons do Espírito Santo nos conduzindo, soprando sobre nossas velas, nossas almas, para nos conduzir à vida eterna. Então, nessa hora nós compreendemos o que o que acontece no Evangelho em que Nosso Senhor Jesus Cristo apresenta o Santo para aqueles discípulos que estão ali, os seus discípulos. Vieram os discípulos de João perguntar a Jesus se Ele era o messias ou deviam esperar outro. E depois de Jesus ter respondido a eles: Olhem! Vejam o que está acontecendo no mundo, vejam os milagres que estão acontecendo. E São João Batista vai entender quem eu sou. Depois Ele diz para os discípulos: o que fostes ver no deserto? Ele apresenta São João Batista como modelo. Nós temos um modelo deste homem que, abandonando todos os apegos desta vida, santifica-se como profeta. Verdade! Mas, santifica-se também na penitência, santifica-se preparando seu coração para vinda do Messias que ele viu, que ele conheceu, que era seu primo, pelo qual ele morre. Dá sua vida por causa da verdade.

Então, Nosso Senhor chama os discípulos e diz: fostes ver um profeta, mais do que um profeta: aquele que prepara os caminhos do Senhor para nos levar à gruta de Belém, para preparar o nosso Natal. Nós temos um modelo de São João Batista para a conversão dos nossos corações e com isso podemos festejar um Natal decente, um Natal santo, um Natal nessa amizade íntima com Deus, que é a caridade e que faz refletir do nosso coração para com o próximo todo aquele amor que nós devemos ao próximo. O programa é árduo, não é fácil. Porque santificar-se, nós sabemos muito bem que é difícil. Nós temos que lutar todos os dias mas a Igreja nos traz esses apoios, essas consolações, essa esperança. Nos traz São João Batista como nos traz também Isaías. E cada um desses profetas vai nos mostrando, contando quem Ele é, esse menino que nasce em Belém para que nós possamos realmente na noite de Natal termos uma felicidade espiritual. Sabemos que mais uma vez, mais um ano passa e mais um ano nós renovamos nossas intenções. Nós nos convertemos a Ele. Nós queremos imitar seus gestos. Nós queremos imitar aquele ensinamento que Ele revelou aos homens para nossa edificação.

Tenhamos então pelo advento uma devoção muito especial. Tenhamos nosso presépio e façamos a preparação espiritual para o presépio, para o Natal. Não vamos passar essas semanas de dezembro simplesmente pensando em férias, simplesmente pensando em ganhar dinheiro, simplesmente em 13º. Não é assim. Isso tudo é coisa do mundo e nós temos é que nos concentrar numa grutinha: um boi e um burro, as ovelhinhas, os pastores, os Reis Magos e nós ali admirando e contemplando a face dessa criança que nasce, que é nosso Deus, diante do qual nós dobramos nosso joelho.

Niterói, 10 de dezembro de 2017

Necessidade se entender as orações e as cerimônias da Santa Missa

Extraído do Catecismo da Santa Missa

É necessário conhecer profundamente a Missa?

Um ato de religião praticado com tanta frequência, tão precioso em suas graças, e tão consolador em seus frutos, é desejoso que se conheça o mais possível, na medida das nossas capacidades.

Como podemos conhecer mais profundamente a Santa Missa?

Podemos conhecê-la mais profundamente estudando seus mistérios, seus dogmas, a moral que ela encerra, e até os menores detalhes de suas cerimônias e orações.

Para que devemos conhecer tudo isto?

Para que a Missa, que é o centro do culto católico, desperte os mais vivos sentimentos de religião e de piedade.

Que mais devemos conhecer da Missa?

Devemos conhecer suas palavras sagradas em que encontramos todo o sabor da unção de que estão repletas; cada ação e cada movimento do sacerdote; cada palavra que ele pronuncia para lembrar nossa alma e nosso coração que um Deus se imola para nós, e que nós também devemos nos imolar com Ele e por Ele.

Com que estado de espírito devemos assistir a Santa Missa?

Devemos deixar fora do santuário a indiferença e o tédio, a dissipação e o escândalo, e sermos, no templo, adoradores em espírito e verdade.

Deus exige de todos os fiéis uma instrução profunda e detalhada da Missa?

Não. Deus supre a sensibilidade da fé ao conhecimento que não foi possível adquirir e jamais irá desprezar o sacrifício de um coração arrependido e humilhado. (Sl 50, 19)

Quais as disposições essenciais e suficientes para aproveitarmos do santo sacrifício da Missa?

Devemos assistir a Santa Missa com a alma penetrada de dor pelas faltas cometidas, e nos aproximarmos confiadamente deste trono da graça, unindo-nos à vítima, Nosso Senhor Jesus Cristo, e à intenção da Igreja, na pessoa do sacerdote, e por seu ministério.

Que mais é salutar conhecer?

Devemos saber as grandes vantagens espirituais que um conhecimento mais íntimo da Santa Missa proporciona aos fiéis, com a explicação literal de suas orações e cerimônias.

A Igreja, acaso, ocultaria aos fiéis algum mistério da Santa Missa?

Não. Na Igreja nada há de oculto e ela jamais pretendeu ocultar qualquer mistério aos fiéis, seja da Santa Missa, como de qualquer outra cerimônia litúrgica, como será demonstrado neste Catecismo.

Qual a principal preocupação da Igreja quanto aos mistérios da Missa?

A Igreja somente teme que o pouco discernimento sobre os mistérios possa causar má interpretação às palavras neles contidas.

Como a Igreja procura evitar possíveis más interpretações?

Apresentando sempre explicações claras dos mistérios aos fiéis.

Há orientação explícita da Igreja para explicar os mistérios da Missa aos fiéis?

Sim. Os Concílios de Mogúncia, de Colônia e de Trento, como mais adiante veremos, ordenaram claramente que se prestassem aos fiéis as explicações necessárias para o melhor entendimento possível dos mistérios da Santa Missa, evitando, assim, más interpretações.

Que outras medidas tomou a Igreja para facilitar o entendimento dos mistérios da Missa?

A Igreja colocou à disposição de todos os fiéis o ordinário da Missa, e impôs como dever dos sacerdotes a explicação das orações e das cerimônias da Santa Missa.

Além do ordinário da Missa, há outras obras específicas sobre o Santo Sacrifício?

Sim; há inúmeras obras ao alcance dos fiéis sobre a Santa Missa, publicadas através dos séculos.

A explicação da Missa é dever somente dos sacerdotes?

Não. Além dos sacerdotes é dever também dos fiéis, e seremos felizes mesmo se, com pouco conhecimento, colocarmos algumas pedras nos muros de Jerusalém, enquanto outros manejam com mão hábil a espada da palavra santa para cuidar da sua defesa.

Qual o melhor método para nos aprofundarmos no conhecimento da Santa Missa?

Para compreendermos exatamente o verdadeiro sentido das orações da Santa Missa, é necessário conhecermos todas, palavra por palavra, o significado de cada termo, dos dogmas e dos mistérios nelas contidos.

Que mais é necessário conhecer sobre as orações?

É preciso, também, conhecer os objetivos da Igreja ao estabelecer as orações, bem como deduzir ao máximo possível as intenções dos santos padres, dos antigos escritos eclesiásticos e da tradição. Para isto torna-se necessária também uma explicação histórica, literal e dogmática de tudo o que constitui a Missa.

Matéria, forma e efeito dos 7 Sacramentos

TRECHO DA BULA EXSULTATE DEO, DE 22/11/1439 (CONCÍLIO DE FLORENÇA – DZ 1310-1328)

[…]Em quinto lugar, para facilitar a compreensão aos armênios de hoje e de amanhã, redigimos nesta brevíssima fórmula a doutrina sobre os sacramentos. Os sacramentos da nova Lei são sete: batismo, confirmação, Eucaristia, penitência, extrema-unção, ordem e matrimônio, e diferem muito dos sacramentos da antiga Lei. Aqueles, de fato, não produziam a graça, mas significavam somente que ela teria sido concedida pela paixão de Cristo; estes nossos sacramentos, ao contrário, não apenas contêm em si a graça, como também a comunicam a quem os recebe dignamente.

Destes, os primeiros cinco são voltados para a perfeição individual de cada um, os últimos dois para o governo e a multiplicação de toda a Igreja. Pelo batismo de fato, nós renascemos espiritualmente; com a confirmação crescemos na graça e nos robustecemos na fé. Uma vez renascidos e fortificados, somos nutridos com o alimento da divina Eucaristia. Se com o pecado adoecemos na alma, somos espiritualmente curados pela penitência; espiritualmente e também corporalmente, segundo o que mais aproveita à alma, pela extrema-unção. Com o sacramento da ordem a Igreja é governada e se multiplica espiritualmente, mediante o matrimônio aumenta corporalmente.

Todos estes sacramentos constam de três elementos: das coisas, que constituem a matéria, das palavras, que são a forma, e da pessoa do ministro, que confere o sacramento com a intenção de fazer aquilo que a Igreja faz. Se faltar um destes elementos, não é efetuado o sacramento.

Entre esses sacramentos há três – batismo, confirmação e ordem – que imprimem caráter indelével, ou seja, um sinal espiritual que distingue <quem o recebe> dos outros, pelo que não podem ser reiterado na mesma pessoa. Os outros quatro não imprimem o caráter e portanto se admite repeti-los na mesma pessoa.

O primeiro de todos os sacramentos é o batismo, porta de ingresso à vida espiritual; por meio dele nos tornamos membros de Cristo e do corpo da Igreja. E como por causa do primeiro homem a morte entrou no mundo [cf. Rm 5, 12], se nós não renascermos da água e do Espírito, não poderemos, como diz a verdade, entrar no reino de Deus [cf. Jo 3, 5].

Matéria deste sacramento é a água pura e natural, não importa se quente ou fria.

A forma são as palavras: “Eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”. Não negamos, porém, que também com as palavras: “Seja batizado o tal servo de Cristo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”, ou com as palavras “O tal, com as minhas mãos, é batizado em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”, se administre o verdadeiro batismo. De fato, a causa principal da qual o batismo tira sua eficácia é a santa Trindade, enquanto a causa instrumental é o ministro, que exteriormente confere o sacramento; se o ato conferido pelo mesmo ministro se exprime com a invocação da santa Trindade, é realizado o sacramento.

Ministro deste sacramento é o sacerdote, a quem por ofício compete batizar; mas em caso de necessidade pode administrar o batismo não só um sacerdote ou um diácono, mas também um leigo, uma mulher e até um pagão ou herege, mas que use a forma da Igreja e queira fazer o que faz a Igreja.

Efeito deste sacramento é a remissão de toda culpa original e atual e de toda pena relativa. Não se deve, portanto, impor aos batizados nenhuma penitência pelos pecados anteriores ao batismo, e os que morrem antes de cometer qualquer culpa são recebidos logo no reino dos céus e acedem à visão de Deus.

O segundo sacramento é a Confirmação, cuja matéria é o crisma consagrado pelo bispo, composto de óleo, que significa a luz da consciência, e de bálsamo, que significa ao perfume da boa fama.

A forma são as palavras: “Te assinalo com o sinal da cruz e te confirmo com o crisma da salvação em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”.

O ministro ordinário é o bispo. E, enquanto para as outras unções basta um simples sacerdote, esta só o bispo pode conferi-la, porque só dos Apóstolos, de quem os bispos fazem as vezes, se lê que davam o Espírito Santo com imposição da mão, como mostra a leitura dos Atos dos Apóstolos: “Quando os apóstolos que estavam em Jerusalém souberam que a Samaria tinha acolhido a palavra de Deus, enviaram para lá Pedro e João. Quando eles chegaram, rezaram por eles para que recebessem o Espírito Santo, pois não tinha ainda descido sobre nenhum deles, mas tinham sido somente batizados no nome do Senhor Jesus. Então impuseram-lhes as mãos, e eles receberam o Espírito Santo” [At 8, 14-17]. A confirmação, na Igreja, tem mesmo o lugar daquela imposição da mão. Lê-se, todavia, que alguma vez com licença da Sé Apostólica e por um motivo razoável e urgentíssimo, também um simples sacerdote tenha administrado o sacramento da confirmação com crisma consagrado pelo bispo.

O efeito deste sacramento, já que por ele é conferido o Espírito Santo para a fortaleza, como foi dada aos apóstolos no dia de Pentecostes, é que o cristão possa corajosamente confessar o nome de Cristo. Por isso, o confirmando é ungido sobre a fronte, sede do sentido de vergonha, para que não se envergonhe de confessar o nome de Cristo e sobretudo a sua cruz, que segundo o Apóstolo é escândalo para os judeus e loucura para os pagãos [cf. 1 Cor 1, 23]; e por isso é marcado com o sinal da cruz.

O terceiro sacramento é a Eucaristia, cuja matéria é o pão de trigo e o vinho de uva, ao qual antes da consagração se deve acrescentar alguma gota de água. A água é acrescentada porque, segundo o testemunho dos santos Padres e Doutores da Igreja, exposto nas precedentes discussões, se crê que o Senhor mesmo tenha usado vinho misturado com água na instituição deste sacramento.

E também, porque isto convém ao memorial da paixão do Senhor. Pois o bem-aventurado Papa Alexandre, quinto <sucessor> depois do bem-aventurado Pedro, diz: “Nas oblações dos sacramentos apresentadas ao Senhor durante a celebração da Missa, sejam oferecidos em sacrifício apenas o pão e o vinho misturado com água. Não se deve, pois, oferecer no cálice do Senhor só o vinho ou só a água, mas ambos, justamente porque se lê que uma e outra coisa, isto é, o sangue e a água, jorraram do lado de Cristo [cf. Jo 19, 34]”.

Além disso, significa o efeito deste sacramento: a união do povo cristão a Cristo. A água, de fato, significa o povo, segundo a expressão do Apocalipse: muitas águas, muitos povos [cf. Ap 17, 15]. E o Papa Júlio, o segundo <sucessor> depois do bem-aventurado Silvestre, diz: “O cálice do Senhor deve ser oferecido, segundo as disposições dos cânones, com água e vinho misturados, porque na água se prefigura o povo e no vinho se manifesta o sangue de Cristo; quando, portanto, se mistura no cálice a água com vinho, o povo é unido a Cristo, e a multidão dos fiéis é coligada e juntada àquele em que crê”.

Se, portanto, quer a santa Igreja Romana instruída pelos beatíssimos apóstolos Pedro e Paulo, quer todas as outras Igrejas de latinos e gregos, iluminadas por esplêndidos exemplos de santidade e de doutrina, têm observado desde o início da Igreja, e ainda observam, este rito, parece incorreto que alguma outra região discorde daquilo que é universalmente observado e racionalmente fundado. Decretamos,pois, que também os armênios se conformem a todo o resto do mundo cristão e que seus sacerdotes, na oblação do cálice, acrescentem alguma gota de água ao vinho, como foi dito.

A forma deste sacramento são as palavras com as quais o Salvador o produziu. O sacerdote, de fato, produz este sacramento falando in persona Christi. E em virtude dessas palavras, a substância do pão se transforma no corpo de Cristo e a substância do vinho em sangue. Isto acontece, porém, de modo tal que o Cristo está contido inteiro sob a espécie do pão e inteiro sob a espécie do vinho e, se também estes elementos são divididos em partes, em cada parte da hóstia consagrada e de vinho consagrado está o Cristo inteiro.

O efeito que este sacramento opera na alma de quem o recebe dignamente é a união do homem ao Cristo. E como, pela graça, o homem é incorporado a Cristo e unido a seus membros, segue-se que este sacramento, naqueles que o recebem dignamente, aumenta a graça e produz na vida espiritual todos os efeitos que o alimento e a bebida materiais produzem na vida do corpo, alimentando-o, fazendo-o crescer, restaurando-o e deleitando-o. Neste sacramento, como diz o Papa Urbano [IV], recordamos a grata memória do nosso Salvador, somos afastados do mal e confortados no bem, e progredimos no crescimento das virtudes e graças.

O quarto sacramento é a Penitência, do qual são como que a matéria os atos do penitente, distintos em três grupos: o primeiro é a contrição do coração, que consiste na dor do pecado cometido acompanhada do propósito de não pecar para o futuro. O segundo é a confissão oral, na qual o pecador confessa integralmente ao seu sacerdote todos os pecados de que tem memória. O terceiro é a penitência pelos pecados, segundo o arbítrio dos sacerdote; à qual se satisfaz especialmente por meio da oração, do jejum e da esmola.

A forma deste sacramento são as palavras da absolvição que o sacerdote pronuncia quando diz: “Eu te absolvo”. O ministro deste sacramento é o sacerdote, que pode absolver com autoridade ordinária ou por delegação do superior. O efeito deste sacramento é a absolvição dos pecados.

O quinto sacramento é a Extrema-unção, cuja matéria é o óleo de oliveira , consagrado pelo bispo. Este sacramento não deve ser administrado senão a um enfermo para o qual se teme a morte; ele deve ser ungido nestas partes: sobre os olhos por causa da vista, sobre as orelhas por causa da audição, sobre as narinas por causa do olfato, sobre a boca por causa do gosto e da palavra, sobre as mãos por causa do tato, sobre os pés por causa dos passos, sobre os rins por causa dos prazeres que ali residem.

A forma do sacramento é esta: “Por esta unção e pela sua piíssima misericórdia, o Senhor te perdoe tudo quanto cometeste com a vista”; expressões semelhantes se pronunciarão ao ungir as outras partes.

O ministro deste sacramento é o sacerdote. O efeito é a saúde da mente e, se aproveita à alma, também a do corpo. Deste sacramento o bem-aventurado apóstolo Tiago diz: “Há entre vós um enfermo? Que mande vir os presbíteros da Igreja, para que orem sobre ele ungindo-o com o óleo no nome do Senhor. E a oração feita com fé salvará o enfermo: o Senhor o aliviará e, se estiver com pecados, lhe serão perdoados” [Tg 5, 14].

O sexto é o sacramento da Ordem, cuja matéria é aquilo cuja transmissão confere a ordem. Assim o presbiterado é transmitido com a entrega do cálice com vinho e da patena com o pão; o diaconado com a entrega do livro do Evangelho; o subdiaconado com a entrega de um cálice vazio tendo em cima uma patena vazia. E, de modo análogo, para os outros <graus>, pela entrega das coisas inerentes ao ministério correspondente.

A forma do sacerdócio é a seguinte: “Recebe o poder de oferecer o sacrifício na Igreja pelos vivos e pelos mortos, em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo”. Para as outras ordens será usada a forma a referida por extenso no Pontifical Romano. Ministro deste sacramento é o bispo. E efeito consiste no aumento da graça para que o ordenando seja um digno ministro de Cristo.

O sétimo é o sacramento do Matrimônio, símbolo da união de Cristo e da Igreja, segundo as palavras do Apóstolos: “Este mistério é grande, digo-o em referência a Cristo e à Igreja” [Ef 5, 32]. Causa eficiente do sacramento é, segundo a regra, o mútuo consentimento expresso em palavras e presencialmente.

Atribui-se ao matrimônio um bem tríplice. O primeiro consiste em aceitar a prole e educá-la para o culto de Deus; o segundo, na fidelidade que um cônjuge deve observar em relação ao outro; o terceiro, na indissolubilidade do matrimônio, porque esta significa a união indissolúvel de Cristo e da Igreja. De fato, se bem que, por motivo de fornicação, seja permitido a separação de cama, não é permitido, porém, contrair outro matrimônio, pois o vínculo do matrimônio legitimamente contraído é perpétuo.

[…]

Depois de explicado tudo isso, os referidos oradores dos armênios, em seu próprio nome, <em nome> dos seus patriarcas e também de todos os armênios, aceitam, recebem e abraçam, com toda a devoção e obediência, este mui salutar decreto sinodal, com todos os seus capítulos, declarações, definições, ensinamentos, preceitos e estatutos e toda a doutrina neles contida, bem como tudo aquilo que sustenta e ensina a santa Sé Apostólica e a Igreja romana. Além disso, aceitam com veneração os Doutores e santos Padres aprovados pela Igreja romana. Qualquer pessoa ou doutrina por esta reprovada e condenada, também eles a consideram reprovada e condenada.