Tag: Santo Agostinho

Como devemos nos preparar para a morte

Por Santo Afonso Maria de Ligório

Diz Santo Ambrósio que morrem felizmente os que, no tempo da sua morte, estão já mortos para o mundo, isto é, desligados daqueles bens de que forçosamente desde já aceitemos a privação dos bens, a separação dos parentes e de todas as coisas da terra. Se não fizermos isto voluntariamente durante a vida, seremos forçados a fazê-lo na morte, mas então com extrema dor e com risco da salvação eterna.

 A este propósito observa Santo Agostinho que, para morrer em paz, é vantajosíssimo pormos em ordem durante a vida os negócios temporais, fazendo desde já a disposição dos bens que é preciso deixar, a fim de não termo de nos ocupar então senão da nossa união com Deus. – Naquela hora convém que só se fale em Deus e no paraíso. Os últimos momentos da vida são demasiadamente preciosos para serem desperdiçados em pensamentos terrestres. É na morte que se acaba a coroa dos escolhidos, porque é então que se recolhe a maior soma de merecimentos, aceitando os sofrimentos e a morte com resignação e amor.

Semelhantes sentimentos, porém, não os poderá ter na morte quem não os tiver excitado durante a vida. Com este fim, pessoas devotas têm por hábito renovarem todos os meses a protestação da boa morte com os atos cristãos de fé, esperança e caridade, com a confissão e comunhão, como se já estivessem no leito de morte,próximas a saírem deste mundo. Ó, como esta prática nos ajudará a caminharmos bem, a nos desprendermos do mundo e morrermos de boa morte!

Quem espera a toda a hora a morte, ainda que esta venha subitamente, não pode deixar de morrer bem. Ao contrário, o que se não faz na vida, é dificílimo fazê-lo na morte. – A grande serva de Deus, irmã Catarina de Santo Alberto, da ordem de Santa Teresa, estando para morrer, gemia e dizia: Minhas irmãs, não é o medo da morte que me faz gemer, porque há vinte e cinco anos que a estou esperando, gemo por ver tantas pessoas iludidas, que vivem no pecado, e esperam, para se reconciliarem com Deus à hora da morte, em que eu com dificuldade posso pronunciar o nome de Jesus.

Examina-te, meu irmão, e vê se tens o coração apegado a alguma coisa terrestre: a alguma pessoa, a algum posto, a alguma casa, a alguma riqueza, a alguma sociedade, a alguns divertimentos, e lembra-te que não és eterno. Tudo terás de deixar um dia, e talvez em breve. Porque queres então ficar agarrado a esses objetos com risco de morreres cheio de inquietações? Oferece desde já tudo a Deus, estando disposto a privar-te de tudo, quando lhe agradar.

Se não tens ainda escolhido o estado de vida, toma o que na hora da morte quiseras ter escolhido e que te deixará morrer mais contente. Se já o escolheste, faze agora o que então quiseras ter feito no teu estado. Faze como se cada dia fosse o último de tua vida e cada ação a última que praticas: a última oração, a última confissão, a última comunhão. Imagina, numa palavra, a cada hora que já estás no leito da morte, ouvindo a intimação: parte deste mundo, e por isso repete muitas vezes a protestação para a boa morte, dizendo:

Ó meu Deus, só poucas horas me restam; nelas vos quero amar quanto possa na vida presente, para mais Vos amar na outra. Pouco tenho que Vos oferecer; ofereço-Vos os meus padecimentos e o sacrifício da minha vida, em união com o sacrifício que Jesus Cristo Vos ofereceu por mim na cruz. Senhor, as penas que sofro são poucas e leves em comparação com as que mereci; tais como são, aceito-as em testemunho doa mor que Vos tenho. Resigno-me a todos os castigos que me queirais, infligir nesta vida e na outra, contanto que Vos possa amar na eternidade. Castiga-me tanto quanto Vos aprouver, mas não me priveis do vosso amor. Sei que não merecia mais amar-Vos, por ter tantas vezes desprezado o vosso amor; mas Vós não podeis repelir uma alma arrependida. Pesa-me, ó meu supremo Bem, de Vos haver ofendido. Amo-vos de todo o coração e em Vós ponho toda a minha confiança. A vossa morte, ó Redentor meu, é a minha esperança. Deposito a minha alma em vossas mãos chagadas. – Maria, minha querida Mãe, socorrei-me nesse grande momento. Desde já vos entrego o meu espírito: dizei a vosso Filho que se apiede de mim. A vós me recomendo, livrai-me do inferno.

Da obra Meditações para todos os dias do ano.

Friburgo: Livreiros-Editores Pontifícios, 1921. pp. 318-321

SANTO AGOSTINHO – BISPO, CONFESSOR E DOUTOR DA IGREJA

Agostinho nasceu em Tagaste, na África do Norte em 354. Tendo a princípio escutado docilmente sua mãe, Santa Mônica, em breve se deixou arrastar para as mais graves desordens: Os meus pecados eram como uma bola de neve que engrossa à medida que a gente o faz a rolar. « Desolada, Monica orava e chorava, seguindo os passos do filho. Professor de talento e espírito sempre ansioso de saber, Agostinho partiu para Roma, sendo depois nomeado mestre de retórica em Milão. Santo Ambrósio acolheu com bondade o jovem professor, e ensinou-lhe a doutrina cristã; tendo já conhecido e seguido várias filosofias, Agostinho descobria a verdade a pouco e pouco. Um dia, por inspiração do alto, abriu as epístolas de S Paulo e leu: « Não vos atoleis na crápula e na impureza, mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo. » Imediatamente as suas indecisões acabaram. Recebeu o batismo no Sábado Santo de 387, com a idade de 32 anos. Sete meses depois, morria Santa Mônica, pedindo ao filho que « se lembrasse dela no altar do Senhor ». De regresso à África, ordenado presbítero e elevado depois a bispo de Hipona aos 41 anos, organizou o seu clero e praticou ele próprio a vida comum com os clérigos que o rodeavam. Deu-lhes uma organização. Três regras lhe foram atribuídas; uma delas foi tirada duma carta escrita a religiosas, sendo mais tarde adaptada a homens.

Santo Agostinho morreu em 28 de Agosto de 430, depois dum episcopado de 36 anos. A sua influência foi enorme. Alma ardente e profunda, inteligência penetrante, deixou tratados e sermões que ainda hoje são verdadeiros tesouros do pensamento da Igreja. Com Santo Ambrósio, São Jerônimo e São Gregório Magno, é um dos quatro grandes doutores da Igreja Latina.

A criação do mundo e do tempo, e que interpretação se deve dar ao descanso de Deus

Por Santo Agostinho

É único e simultâneo o princípio da criação do mundo e dos tempos

O início da criação do mundo e o início do tempo são simultâneos. Sendo correta a distinção entre eternidade e tempo, […] as Sagradas Escrituras, que gozam da máxima veracidade, dizem que no princípio fez Deus o céu e a terra, dando a entender que antes nada fez, pois, se houvesse feito algo antes do que fez, diriam que no princípio o houvera feito. O mundo não foi feito no tempo, mas com o tempo. O que se faz no tempo faz-se depois de algum tempo e antes de algum, depois do passado e antes do futuro. Mas não podia haver passado algum, porque não existia criatura alguma, cujos mutáveis movimentos o fizessem. O mundo foi feito com o tempo e em sua criação foi feito o movimento mutável. É o que parece indicar também a ordem dos seis ou sete primeiros dias. Nomeiam-se, neles, a manhã e a tarde, até a criação de todas as coisas feitas por Deus. Qual a natureza desses dias é coisa inexplicável, talvez mesmo incompreensível.

Como eram os primeiros dias, que tiveram, segundo a narração, manhã e tarde, antes da criação do Sol

Vemos que os dias conhecidos não tem tarde, senão em relação com o pôr do Sol, nem manhã, senão em relação com seu nascimento. Pois bem, os três primeiros dias transcorreram sem Sol, pois Continuar lendo “A criação do mundo e do tempo, e que interpretação se deve dar ao descanso de Deus”