“Estou preparando o fogo que me há de queimar”

Por um instante de prazer, uma eternidade de suplícios

(Pensamentos do Cura d”Ars)

Meus, filhos, nós temos medo da morte, bem o creio. É o pecado que nos faz ter medo da morte. É o pecado que torna a morte horrorosa, tremenda. É o pecado que apavora o mau na hora do terrível trânsito para a eternidade.

Ai, meu Deus, há realmente de que ficar apavorado: pensar que se é amaldiçoado! Amaldiçoado por Deus, isto faz tremer. Maldito de Deus! E por quê? Por que os homens expõem-se a ser amaldiçoados por Deus? Por uma blasfêmia, por um mau pensamento, por uma garrafa de vinho, por dois minutos de prazer perder a Deus, a própria alma, perder o céu para sempre.

Ver-se-á subir ao céu em corpo e alma, esse pai, essa mãe, essa irmã, esse vizinho, que estavam lá junto de nós, com quem havíamos vivido, mas a quem não imitamos, ao passo que nós desceremos em corpo e alma ao inferno par aí ardermos. Os demônios rolarão sobre nós. Todos aqueles cujos conselhos houvermos seguido virão atormentar-nos.

Meus filhos, se vísseis um homem erguer uma grande fogueira, amontoar gravetos uns sobre os outros e, perguntando-lhe o que faz ele, vos respondesse: “Estou preparando o fogo que me há de queimar” que pensaríeis? E se vísseis esse mesmo homem aproximar-se à chama da fogueira e, quando estivesse acessa, precipitar-se dentro, que diríeis? Cometendo o pecado, é assim que fazemos. Não é Deus que nos lança no inferno, somos nós que nos lançamos nele pelos nossos pecados. O condenado dirá; “Perdi Deus, minha alma e o céu. Foi por minha culpa, por minha culpa, por minha máxima culpa.”

Não, verdadeiramente, se os pecadores pensassem na eternidade, nesse terrível SEMPRE, converter-se-iam in continenti. Faz perto de seis mil anos que Caim está no inferno, e parece que acabou de entrar nele.

Uma consideração sobre ““Estou preparando o fogo que me há de queimar””

  1. Ai meus Deus!
    Quantos de nós estamos nessa mesma situação. De graveto em graveto vamos fortalecendo a nossa fogueira. A cruz por ser pesada não queremos carregar, porem um simples gravetinho que quase não pesa é fácil levar, Só não devemos nos esquecer que assim como de grão em grão a galinha enche o papo, da mesma forma de graveto em graveto as chamas ficam mais fortes.
    Muitas das vezes ficamos chateados quando somos advertidos e não percebemos que cada vez mais nos aproximamos da labaredas. No sermão da Festa de São João Batista, nosso orientador espiritual Padre Dom Lourenço Flaichman nos adverte;
    – “Se vocês pensam que basta vir assistir a missa tradicional e estará resolvido o problema? Não, é, é muito mais que isso. É preciso ter uma família católica, é ter critérios católicos, se comportar no trabalho de modo católico. Precisamos levantar a espada para restaurar a sociedade católica, aqui dentro, lá fora a gente não pode nada”.( Dom Lourenço).
    Se não praticarmos essas virtudes continuaremos pecando, pecando e nos aproximando cada vez mais do fogo eterno.
    Então fica a grande pergunta; valerá a pena esses minutinhos de prazeres?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s