Pe. Davide Pagliarani é eleito novo Superior Geral da FSSPX

Em eleição realizada durante o Capítulo Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, foi eleito no dia de hoje, 11 de julho de 2018, o Pe. Davide Pagliarani como novo superior geral para um período de 12 anos.

Italiano, 47 anos de idade, Pe. Pagliarani foi ordenado por Dom Bernard Fellay em 1996 e exerceu anteriormente seu apostolado em Rimini, na Itália, e depois em Cingapura antes de ser nomeado Superior do Distrito da Itália. Ao aceitar o cargo, pronunciou a Profissão de fé e o Juramento Antimodernista. Todos os outros quarenta membros do capítulo prometeram-lhe respeito e obediência. Em seguida, prosseguiram com a eleição dos dois assistentes gerais, tendo sido eleitos: Dom Alfonso de Galarreta, como primeiro assistente, e o Pe. Christian Bouchacourt, o segundo assistente.

A partir de amanhã muitas questões serão pautadas dando continuidade ao Capítulo Geral que se estenderá até o próximo dia 21 de julho, quando será encerrado.

Nossas orações aos que assumem a missão de estarem à frente da FSSPX. Que o Espírito Santo os guie sendo fiéis na manutenção da Tradição Católica.

Por que os santos se consideravam grandes pecadores

Lemos nas vidas dos santos que eles se consideravam como grandes pecadores. Alguns não compreendiam como Deus os deixava viver neste mundo, como lhes concedia a luz do sol e os bens da terra. Entre eles alguns havia que costumavam firmar as suas cartas com a assinatura: “Fulano, o pecador”. São João Batista, intimado a batizar a Jesus, disse que nem era digno de lhe desatar as correias dos sapatos. Por outro lado, há tantos homens mundanos que se julgam isentos de toda culpa e imperfeição moral.

Por que esta diferença? Será que os Santos eram de fato tão grandes pecadores, e que certas outras pessoas se dizem prodígios de virtude e santidade? Continuar lendo Por que os santos se consideravam grandes pecadores

“Estou preparando o fogo que me há de queimar”

Por um instante de prazer, uma eternidade de suplícios

(Pensamentos do Cura d”Ars)

Meus, filhos, nós temos medo da morte, bem o creio. É o pecado que nos faz ter medo da morte. É o pecado que torna a morte horrorosa, tremenda. É o pecado que apavora o mau na hora do terrível trânsito para a eternidade.

Ai, meu Deus, há realmente de que ficar apavorado: pensar que se é amaldiçoado! Amaldiçoado por Deus, isto faz tremer. Maldito de Deus! E por quê? Por que os homens expõem-se a ser amaldiçoados por Deus? Por uma blasfêmia, por um mau pensamento, por uma garrafa de vinho, por dois minutos de prazer perder a Deus, a própria alma, perder o céu para sempre.

Ver-se-á subir ao céu em corpo e alma, esse pai, essa mãe, essa irmã, esse vizinho, que estavam lá junto de nós, com quem havíamos vivido, mas a quem não imitamos, ao passo que nós desceremos em corpo e alma ao inferno par aí ardermos. Os demônios rolarão sobre nós. Todos aqueles cujos conselhos houvermos seguido virão atormentar-nos.

Meus filhos, se vísseis um homem erguer uma grande fogueira, amontoar gravetos uns sobre os outros e, perguntando-lhe o que faz ele, vos respondesse: “Estou preparando o fogo que me há de queimar” que pensaríeis? E se vísseis esse mesmo homem aproximar-se à chama da fogueira e, quando estivesse acessa, precipitar-se dentro, que diríeis? Cometendo o pecado, é assim que fazemos. Não é Deus que nos lança no inferno, somos nós que nos lançamos nele pelos nossos pecados. O condenado dirá; “Perdi Deus, minha alma e o céu. Foi por minha culpa, por minha culpa, por minha máxima culpa.”

Não, verdadeiramente, se os pecadores pensassem na eternidade, nesse terrível SEMPRE, converter-se-iam in continenti. Faz perto de seis mil anos que Caim está no inferno, e parece que acabou de entrar nele.

Recebamos com amor as cruzes que não escolhemos e que Deus nos deu

As cruzes da Providência são as mais agradáveis a Deus

(Por São Francisco de Sales)

“Se alguém quer vir atrás de mim, diz Nosso Senhor, tome a sua cruz e siga-me.” Tomar a sua cruz significa receber e sofrer todas as nossas penas, contradições, aflições e mortificações, que nesta vida nos acontecem, sem exceção alguma, com uma inteira submissão e indiferença. Imolemos muitas vezes o nosso coração do nosso amor de Jesus Cristo sobre o próprio altar da cruz, onde Ele imolou o seu amor pelo nosso. A cruz, é a porta real para entrar no templo da santidade; aquele que a busca fora daí, não a encontra. As melhores cruzes são as mais pesadas e as mais pesadas são as que mais incomodam a parte inferior da alma.

As cruzes que encontramos pelas ruas são excelentes, e ainda mais Continuar lendo Recebamos com amor as cruzes que não escolhemos e que Deus nos deu

Misericórdia amorosa ou Justiça rigorosa: Como queres receber de Deus os castigos por teus pecados?

Por São Luiz Maria Grignion de Montfort

Com efeito, queridos Amigos da Cruz, sois todos pecadores. Não há um só dentre vós que não mereça o inferno, e eu mais que ninguém. É preciso que nossos pecados sejam castigados neste mundo ou no outro. Se o forem neste, não o serão no outro.

Se Deus os castigar neste mundo de acordo conosco, esta punição será amorosa: quem há de castigar será a misericórdia, que reina neste mundo, e não a justiça rigorosa. O castigo será leve e passageiro, acompanhado de atenuantes e de méritos, seguido de recompensas no tempo e na eternidade.

Mas se o castigo necessário dos pecados que cometemos for no tempo reservado para o outro mundo, a punição caberá à [CONTINUE LENDO NO ARENA DA TEOLOGIA]

O Sagrado Coração de Jesus teria sido atingido pela lança do soldado?

O Evangelho nos fala da abertura do lado; mas não nos diz se a lança feriu diretamente o Divino Coração de Jesus. Nós podemos afirmar que sim, com argumentos de razão e de autoridade.

O soldado fere o lado de Jesus para certificar-se de que o Salvador estava realmente morto, e, caso não estivesse, acabar com a vítima. E para conseguir seu fim, era preciso ferir o Coração. Continuar lendo O Sagrado Coração de Jesus teria sido atingido pela lança do soldado?

Oração para oferecer o coração a Maria Santíssima no último dia do mês de maio

Santíssima Virgem Maria, Mãe de meu Jesus, eu, o mais indigno de todos os pecadores, prostrado a vossos pés na presença de Deus Onipotente e de toda a corte celeste, vos apresento e ofereço meu coração com todos os seus afetos. E eu vo-lo dedico e consagro em sacrifício perene e quero que ele seja sempre vosso e do vosso querido Filho, meu Senhor Jesus Cristo. Mãe amorosíssima, aceitai a sincera e devota oferta que vos faz este vosso indigno filho, e fazei que eu principie desde agora e continue sem interrupção a viver unicamente para Deus e para vós. Assim o espero, assim o proponho, confiando nos auxílios da divina graça, que vossa eficaz proteção e amorosa assistência me afiançam. Jesus e Maria, recebei meu tíbio coração e colocai-o entre os vossos santíssimos corações para que, inflamado em vosso ardente amor durante o tempo de minha vida, se abrase depois em suavíssimos afetos para convosco no Céu, em companhia dos Anjos e dos Santos. Amém.

Consagração à Santíssima Virgem

Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus e minha Mãe, Rainha do Céu e da terra, obra prima das mãos do Onipotente, digno objeto das complacências da Santíssima Trindade, espelho admirável de todas as virtudes, permiti que no fim deste mês de salvação e de graças me lance a vossos pés para vos oferecer a homenagem do meu reconhecimento e da minha inteira consagração. Eu desejara, ó Mãe de bondade, possuir os corações de todos os homens, para vo-los apresentar; quisera a cada instante tributar-vos todas as honras que os Anjos e Santos vos tributam e vos hão de tributar para sempre no Céu. Mas, sendo impossível satisfazer aos meus desejos, quero ao menos fazer tudo quanto está ao meu alcance. Prostrado junto de vosso majestoso trono, com o coração repassado da mais profunda veneração e do mais entranhável amor, na presença do Santo Anjo da minha guarda e de toda a corte celeste, vos escolho por minha Rainha, minha Soberana Senhora, minha Protetora e minha Mãe. E nesta qualidade vos consagro por uma dádiva inteira e irrevogável meus bens, meu corpo, minha alma, meus sentidos, minhas faculdades, minha pessoa e minha vida. Tomo a resolução de nunca me envergonhar do vosso culto, de defender vossa honra contra todos aqueles que quiserem atacá-la na minha presença, e de me gloriar sempre de ser vosso servo e vosso filho submisso e obediente. Nunca deixarei passar um só dia, sem que vos tribute minha vassalagem e vos dirija minhas orações. Ó minha amável Mãe, como poderia eu esquecer-me de vós um só dia, se vós todos os dias vos lembrais de mim e não cessais de ocupar-vos da minha felicidade?

Ó Virgem Santíssima, eis aqui, pois, desde este momento todo consagrado ao vosso serviço. Eu sou vosso, pertenço-vos inteiramente. Quanto não posso, quanto não devo esperar debaixo de vosso amável império! Permiti que no meio da alegria que sinto ao considerar tanta ventura, eu comece a por em prática esta piedosa confiança que me inspirais. Deste vale de lágrimas invoco a vossa assistência. Bem vedes os perigos que me cercam. Vedes o furor dos inimigos que me atacam. Sois a dispensadora das graças, podeis tudo para com Deus. E, enfim sois minha Mãe amabilíssima, e a mais terna das mães. Seria possível, ó Virgem Maria, que vos interessásseis menos na minha salvação do que o inferno se interessa na minha perda? Ó Mãe de bondade, Mãe de misericórdia e de amor, tende compaixão de uma alma que se gloria de pertencer-vos. Afastai os perigos a que estou exposta, dissipai os meus cruéis inimigos, sustentai minha fraqueza, assisti-me em todos os momentos de minha vida, dirigi-me até o fim da minha carreira no mar tempestuoso deste mundo, e conduzi-me ao porto da feliz eternidade, onde espero bendizer-vos, louvar-vos e amar-vos com todos os escolhidos sem reserva e sem fim. Amém.

Comunidade de Tradição Católica em Parnaíba-PI. Tradição Católica no Brasil. Missa Tridentina no Piauí.